Retrospectiva Abril 2021

Estamos aqui de volta tentando alinhar um mínimo de um calendário editorial que a  essa altura do campeonato já foi para as cucuias. Para mim e para qualquer ser humano normal.

 Estamos no comecinho de maio portanto já fizemos no mundo todo e no Brasil mais de um ano de pandemia.  Estamos sobrevivendo por enquanto.

Vida doméstica

Aqui em casa como eu sou da saúde já tive graças a Deus, as duas doses aplicadas. Minha mãe já está também atualizada assim como algumas tias minhas.

Faz tempo que eu não atualizo as coisas por aqui então um dos motivos do sumiço nosso foram algumas coisas bem chatas que aconteceram.

Teve a internação e o falecimento do meu pai no final do ano (não… não foi COVID. e olha que ele, teimosamente, pelo menos até meados de setembro saía todos os dias de casa) e no começo desse ano teve todas as coisas chatas de inventário e documentação e outras coisas mais. 

Como é uma coisa bastante particular eu não vou compartilhar como foi todo esse processo e prefiro internalizar isso dentro da família. Aí você soma todas as coisas ruins e tristes que aconteceram e estão acontecendo no mundo junto com coisas mais próximas e aí que não dá vontade de fazer nada mesmo. Acho que assim tá a vida para todo mundo.

Tivemos férias em fevereiro/março deste ano. 

Deu para fazer Imposto de Renda (uhuuuuuuu!!!!!!) #sqn, comprei um cursinho de aquarela da Domestika, estava em promoção e não terminei ainda de ver, mas comecei a ensaiar uns rabiscos….

Também tive alta da fisioterapia. Mais de um ano em tratamento depois da cirurgia. Fiquei de novembro de 2019 a fevereiro de 2021 em terapia. Três vezes por semana e nos últimos quatro meses duas vezes por semana. Sinto falta da companhia agradável da Jussara, nossas trocas de experiências e conversas. Mas sinceramente, do exercício não… rsrsrs… ela bem sabe…

Montamos um cantinho para mim, no escritório, com o refugo de coisas que eram do meu pai, compartilhando o espaço com o João, daí não preciso ficar usando a mesa da sala para escrever ou pintar.

 

Diversos

Compramos o livro novo do Cavallari, Transmongólia,fomos Patronos da Aventura, recebemos mas ainda está na estante do jeito que chegou. Quando ler, escrevo o que achei. 

 

Netflix

Por sugestão da Júlia, começamos e acabamos maratonando Grace & Frankie. Pena que parece que não existe previsão de continuidade…

Outras poucas coisas assistidas:

-Live Twice, Love Once

-Lupin

-Enola Holmes

-Unbroken

-The man fron U.N.C.L.E

-Things Hear and Seen

-Ma Rainey’s Black Bottom

-I See You

-Pieces of a Woman

-Hillbilly Elegy

-Unlocked

 

Vou soltar essa retrospectiva no Podcast, também para atualizar, então comento um pouco melhor sobre cada filme/série por lá…

Entre o final do ano passado e o começo deste ano, fizemos um “consórcio” familiar para usar a Disney e estamos usando emprestado a conta do genro da Amazon. 

Da Disney acho que não preciso atualizar os filmes/séries, mas quando tiver um número suficiente de coisas vistas na Amazon, compartilho. 

 

No trabalho

Parece irrelevante agora mas nesse turbilhão todo conseguiu uma transferência de local de trabalho. Na prefeitura é assim você não é demitido mas você consegue ser transferido. Fui transferida em janeiro, depois das férias de dezembro onde arrumamos todas as coisas do meu pai então essa mudança também não foi tão sentida por conta do falecimento dele como eu já falei.

 Consegui sair do atendimento ao público apesar de fazer alguns atendimentos ainda, o volume de atendimento que faço pessoalmente é muito menor do que eu fazia no balcão de uma unidade básica de saúde e tem uma equipe grande comigo que são de sete pessoas.

 Sim é grande porque para atender cerca de 70 pacientes por dia são mais ou menos esse número, ainda que tenha gente de férias ou outro tipo de ausência. 

Na UBS eu atendia cerca de 120 pessoas, muitas vezes sozinha.  É uma coisa bastante cruel e dura para quem está na lida todos os dias e por questões que eu não consigo explicar aqui nem tem porque,  não vejo perspectiva de melhora a tão curto prazo.

Sinto imensamente pelas pessoas que continuam nessa batalha, nessa luta diária invisível. Vários e vários colegas estão adoecidos, tristes, deprimidos e muito cansados mas de novo… só vejo perspectiva de piora infelizmente.

Vou sobrevivendo, esperando pela aposentadoria. 

Com o andar da carruagem, no município, no país, com as coisas do jeito que estão acontecendo, infelizmente já joguei a toalha. Não tenho força nem coragem para mais um tempo de luta. 

casa em estilo enxaimel (com tijolinhos a vista e enquadramento peculiar) sob céu azul intenso.

Uma das casas em estilo enxaimel em Pomerode- SC

Nas viagens/blog

Já comecei falando que o calendário editorial foi para o espaço mas vou tentar atualizar um pouquinho as coisas. 

As coisas que tinham sido publicadas/postadas no blog e no Podcast é porque estavam agendadas antes do turbilhão de coisas, desde dezembro.

Confesso que sinto realmente uma culpa, talvez uma coisa descabida aos olhos de muitos. Ou igualmente descabido falar de viagens neste momento. Falar de viagens e de passeios no momento tão doloroso e triste para muitas e muitas famílias.

Não sei dizer quem está certo e quem está errado. 

Sinceramente. 

E  sinto culpa porque a gente acabou fazendo uma pequena viagem em fevereiro. Acabamos conseguindo coincidir as férias dos quatro aqui de casa.  Sim, Voldemort (que é o apelido “carinhoso” dado ao Francisco, namorado da Júlia, já é uma presença constante nas nossas vidas, é o quarto membro da família e fizemos a nossa quinta visita para o Vale Europeu em Santa Catarina.

Foi bastante diferente porque além de ter mais um elemento presente foi um turismo como hoje está se chamando e aclamado do turismo de isolamento.

Ficamos bastante confortáveis neste distanciamento apesar de por alguns momentos e em algumas situações termos convivido com alguma aglomeração, mas graças a Deus todos estamos bem e continuamos nessa vida nossa sem termos ficado doentes.

 Daí vou (apesar da culpa ainda) começar atualizar esse roteiro e os pontos visitados no Vale Europeu aos poucos.

Outra novidade também é que eu finalmente consegui finalizar o ebook de Munhoz. 

Estou feliz por dois pontos. Ter conseguido finalizar um trabalho, uma promessa. Me tirou um grande peso das costas. Me debrucei sobre este projeto nos últimos três meses para finalizar finalmente. E abre espaço para eu continuar com meus outros projetos. 

Já fiz um post falando sobre isso. 

Mas… apesar de me sentir culpada e tudo o mais… aprendi que o que vale é o estarmos aqui e agora. Vivos e com saúde… com quem a gente gosta. Principalmente por causa do que aconteceu aqui em casa. E do que acontece no mundo todo. A vida é realmente um sopro…

Por enquanto é só, e vamos seguindo em frente, em segurança e com saúde!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *