Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Cripta da Catedral da Sé

Interior de construção com teto abobadado feito em tijolos aparentes. Lustres antigos pendem do teto. Piso em branco e preto e no centro figura em formato redondo. Bancos em madeira escura com revestimento em e=tecido vermelho e balcão à frente do banco para oração.

A Catedral Metropolitana de São Paulo, mais conhecida como a Catedral da Sé é um dos símbolos da cidade, mas pouca gente conhece a cripta da Catedral.

Nós mesmos, nascemos e vivemos em São Paulo e só fomos visitar a cripta agora.

Um pouquinho de história

Considerada um dos cinco maiores templos neogóticos do mundo, sua construção (a pedra fundamental) foi lançada em 1913 pelo primeiro arcebispo de São Paulo, dom Duarte Leopoldo e Silva.

Altar feito em pedra cinza clara, com detalhes em forma de arcos na parte inferior e uma formação no centro, lembrando um pórtico com uma cruz sobre esta formação.

O altar na Cripta da Catedral da Sé

Entre o lançamento da pedra fundamental e a inauguração da Catedral se passaram 42 anos, mesmo assim incompletos, pois a construção das torres principais só iniciaram em 1956. Este atraso ocorreu principalmente pelo decurso das duas Guerras Mundiais, o que retardava a importação de grande parte da matéria prima vinda da Europa de navio.

A cripta

Está localizada abaixo do altar-mor, foi inaugurada em 1919. Ao redor de suas colunas e arestas, estão localizadas 30 câmaras mortuárias, que abrigam os restos mortais de bispos e arcebispos de São Paulo, falecidos a partir de 1748, além de outros importantes personagens da história, como o Cacique Tibiriça, Regente Feijó e o padre Bartolomeu Lourenço de Gusmão.

Achamos um post bem completo aqui,  para você saber mais sobre a história do lugar:

https://saopaulosao.com.br/nossos-encontros/3106-na-catedral-da-se-uma-visita-aos-segredos-do-seu-subsolo.html#

…”Com trinta câmaras mortuárias destinadas à guarda dos sarcófagos de bispos, cardeais e arcebispos da arquidiocese de São Paulo, 17 câmaras estão ocupadas e outras 13, vazias. A maioria dos restos mortais foi levada para lá na década de 1930. Os túmulos estão dispostos em ordem cronológica de falecimento.
Na cripta, além dos restos mortais de todos os bispos de São Paulo nos seus dois séculos de hierarquia, estão também os túmulos do cacique Tibiriçá e do regente Feijó – este último, sacerdote e estadista brasileiro, considerado um dos fundadores do Partido Liberal da época. O cacique Tibiriçá, ”príncipe da terra” em tupi, foi quem escolheu o terreno onde seria erguido um dos mais importantes símbolos paulistanos. Considerado o primeiro cidadão paulistano, Tibiriçá foi o primeiro a ser enterrado na cripta. Porém, um tempo depois, seus restos mortais foram transferidos para o Pátio do Colégio, onde se encontram até hoje.
Todo o conjunto, catedral e cripta, foram fechados para reforma em 1999 e reaberto em 2002, quando foi concluído o projeto original.
A cripta, que até 1999 sempre foi aberta à população, após a reforma passou a receber apenas visitas monitoradas e cobradas, com o intuito de zelar pela conservação e preservação do patrimônio.”…

Como a Júlia já havia visitado a cripta o ano passado, já sabíamos que teríamos que nos dirigir à Secretaria e perguntar sobre as visitas. Achamos que havia dia ou horário pré estabelecido, mas é só chegar, pagar a entrada de R$ 7,00 por pessoa e o monitor já desce com você para a visita.

A entrada fica do lado esquerdo, embaixo do altar principal da Catedral. Até a porta que dá acesso é linda.

Descemos por uma escadaria cinzenta, toda rebuscada.  Do lado direito, já observamos o primeiro túmulo, do cacique Tibiriçá e à esquerda, do Regente Feijó.

Três câmaras uma ao lado da outra em tom de marrom bem escuro, quase preto, em material metálico. Todas têm o formato de arco ponteagudo na parte de cima, figuras do rosto em alto relevo em um tom de dourado envelhecido. São adornadas cada uma delas com brasões e símbolos diferentes.

Câmaras logo na entrada da Cripta da Catedral da Sé

Descendo a escada, nos deparamos com um salão e o que chama a atenção são os tijolinhos em cor clara à vista e pilastras arredondadas, no mesmo tom da escadaria e estas terminam em arcos, formando um lindo teto abobadado.

Seis balcões acompanhados de bancos antigos, de madeira escura, forrados em tecido vermelho enfileirados dos dois lados do salão e um lindo piso em mosaico branco e preto formando um xadrez e um desenho redondo marca o centro do salão.

Quatro lustres antigos seguem pelo meio do corredor formado pelos bancos até chegar ao altar.

Câmara em marrom escuro, de material metálico em formato de arco ponteagudo na parte superior. Um brasão na parte superior, símbolos de cruzes logo abaixo e mais abaixo o rosto em alto relevo, todos em tom de dourado envelhecido.

Câmara de Dom Paulo Evaristo Arns, falecido em dezembro de 2016 na Cripta da Catedral da Sé

A última câmara ocupada é de Dom Paulo Evaristo Arns, falecido em dezembro de 2016, quinto arcebispo de São Paulo.

Dois corredores, com duas grandes estátuas de mármore carrara compõem o conjunto da cripta. Em um deles, uma exposição sobre o Santo Sudário, feita pela Associação Brasileira de Estudos do Santo Sudário (nem sabia dessa Associação!!) em conjunto com a Prefeitura de São Paulo, contando sobre estudos com Carbono 14 e uma réplica do artefato.

Dois cartazes, ambos com fundo preto. O da esquerda a imagem do rosto de Jesus Cristo em preto e branco. O da direita : Primeira exposição brasileira sobre o Santo Sudário e a figura de Jesus Cristo crucificado colorido.

Exposição sobre o Santo Sudário na Cripta da Catedral da Sé

A visita levou cerca de 40 minutos, o monitor deu uma rápida explicação e depois foi atendendo aos outros visitantes. Vimos que ele fez uma recepção em inglês, para um turista estrangeiro.

Ele contou ainda que são celebradas missas na cripta. Os sites que li diziam às sextas-feiras às 09:00 h, mas aconselho você ligar antes para confirmar.

Pesquisando sobre a cripta, encontrei este artigo com teorias conspiratórias (Mulder’s feelings, quem lembra???)

Teorias conspiratórias: A maçonaria no coração da Sé

Retirando daqui:

http://mapeamentoespiritual.blogspot.com/2010/08/maconaria-no-coracao-da-se.html

“Recentemente visitamos a Igreja da Sé com o objetivo de conhecer a tal cripta e constatamos o que por vídeo e foto já nos era certo: há indícios concretos da presença maçônica no lugar.
Os motivos são os seguintes:

a) O piso da cripta é idêntico ao quadrado mosaico da Maçonaria. Segundo Fábio S. de Amaral, o pavimento mosaico extensivo ao assoalho do Ocidente foi à norma das grandes lojas do Brasil até 1942, quando, a partir de então, por iniciativa do irmão General Joaquim Moreira Sampaio, ficou restrito ao centro do templo, com o formato de um tabuleiro de xadrez circundado por uma orla dentada. O quadrado mosaico possui inúmeros significados, desde a união de todos os maçons do mundo, a imagem da objetividade, o dualismo do bem e do mal, a riqueza e a miséria etc.

b) Depois do índio Tibiriçá, a figura mais procurada pelos os que visitam a cripta é o Regente Feijó. Como tantos outros em sua época, o padre Diogo Antonio Feijó (Regente Feijó) era maçon. Iniciado na cidade de Porto Feliz, na loja Inteligente, Feijó chegou ao cargo de segundo vigilante (algo como vice-presidente da loja). Inteligente é a loja maçônica mais antiga do Estado de São Paulo e foi fundada por João Batista Lobo de Oliveira. Diz-se que D. Pedro II, que também era maçom, teria conhecido a loja maçônica Integridade de Capivari, que fica a poucos quilômetros de Porto Feliz.

c) Enquanto para alguns o número da besta é 666, para outros pesquisadores o número correto seria 616. Não sabemos até que ponto esta interpretação está correta, mas o fato é que a extensão exata da cripta é 616 metros (e não 617 como alguns sugerem). Para os teóricos da conspiração essa seria uma referência aos antigos mistérios e ao poder dos maçons no mundo.

d) O que mais desperta curiosidade não é o tamanho da cripta em si, mas uma suposta passagem secreta que conduz a uma rede de túneis unindo a catedral da Sé com o Mosteiro de São Bento e a Igreja de São Francisco. De fato, ao percorrer toda a extensão da cripta é possível sentir uma forte corrente de ar vinda de uma porta próxima do altar. Há quem sugira que em tempos antigos tanto a cripta como os corredores teriam sido usados para a passagem e reuniões de sociedades secretas, dentre as quais a Maçonaria. O que daria um ótimo tema para ser explorado por Dan Brown.
FONTE: RODA APOLOGÉTICA”…

Escadaria baixa, cerca de 6 degraus o primeiro lance em cinza claro, com adornos feitos do mesmo material . Esta se divide à direita e à esquerda. Acima teto abobadado em tijolo claro aparente.

A escadaria que leva à Cripta da Catedral da Sé

Para quando você for

Endereço

Praça da Sé s/n – centro

Telefone

Tel.: (11) 3107 6832 / 3106-2709

Entrada

R$ 7,00

Visitas monitoradas

-Segunda: 10 h-11:30 e 13 h-16:30

-Terça a Sexta: 09:30 às 17:00

-Sábado: 09:00 – 11:30 e 13:00 – 15:30

-Domingo: 12:30-15:30

Apesar de recebermos um bilhetinho onde constavam esses horários, é melhor checar o horário antes da sua visita.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *