O acampamento em Santa Teresa Considerando o estradão do dia anterior, conseguimos, sem muito esforço, convencer o Ogro a pagar o bus para nos levar até a Hidrelétrica, (S/10,00 cada um) economizando assim uma pernada de 14 km e pelo menos 2:30 hs, o que no nosso caso seria certamente umas 4:00 hs, porque, Read More

 Depois do chá de coca na barraca, mesma coisa, guardar os sleepings bags, isolantes, trocar de roupa e desayuno, dessa vez com omelete, salada uma aveia já previamente preparada para misturar com café ou chocolate. Aqui foi o ponto onde nos despedimos do arriero, Alex, e não obrigatório, mas vale a propina-gorjeta, de praxe., Read More

O ponto alto da Trilha- O encontro com a Montanha Selvagem O Alex veio nos acordar com a garrafa térmica de água quente e o folhas de coca. Depois de previamente aquecidos pelo chá, bem importante para que ainda mantivéssemos o calor do sleeping bag, juntamos nossa tralha e descemos para o desayuno, que, Read More

O pessoal da agência veio nos buscar às 5:30 hs, com o Fredi para apresentar o guia  Osgel Guevara e o chef Roberto. O Fredi saltaria logo nos deixando na van que seguiu para Mollepata, a 90 km de Cusco, numa estradinha sinuosa que para variar a Júlia teve que dar uma paradinha antes do, Read More

Parte técnica (Chato, mas necessário) A idéia inicial (e como ela se modificou até o final) Ventilamos a possibilidade de visitar o Peru (a primeira coisa que vêm a mente: Trilha Inca, Machu Picchu, clichê) há cerca de um ano e meio em uma viagem (para variar), e entre assombros e comentários de alguns, Read More