São Miguel Arcanjo- Parque Estadual Carlos Botelho
Estivemos na cidade há uns 8 anos atrás, visitando o Parque Estadual Carlos Botelho na primeira vez. Cabe aqui, ressaltar que “descobrimos” a existência deste Parque, através de um Guia que nos foi muito útil e fonte de inúmeras viagens. Senta que lá vem história, mas como esse guia foi muito, muito usado, preciso dar os créditos a quem de direito… Falha nossa, tenho que atualizar na lista das Fontes Ogrotur. É o” Guia Parques de São Paulo – O único guia de Parques Estaduais de São Paulo”, autores: José Luis Perucio, Edmilton Alves Gonçalves, Fernando Breda Vicente, Isabel Maria Fraga Perucio e Telma Magri,edição de 2001, portanto alguns dados já têm alterações, porém uma boa parte do guia é sim, muuuito útil. Conhecemos o guia por duas coincidências também. Uma das autoras, a Isabel trabalhou comigo, meio que indiretamente e na época do lançamento me contou sobre o guia e tivemos a indicação da prima do OgroJoão, que disse que tinha feito a revisão de um guia muito legal, que a gente tinha que conhecer.

Quando visitamos Intervales este ano, o nosso amigo Robson perguntou se conhecíamos este outro Parque, que ele havia visitado e feito um curso há pouco tempo, aí pronto, nossa curiosidade em visitar a cidade novamente foi aguçada e resolvemos retornar.

No  site da cidade  nos deparamos com a possibilidade de visitação a três Parques, (Carlos Botelho, do Zizo e da Onça Parda) e acreditamos que teríamos programação mais do que suficiente para 4 dias do feriado.
Como chegar: Pegue a Rodovia Castelo Branco até o Km 77, entre a direita para Sorocaba (na bifurcação pegue à esquerda). Após o pedágio da Castelinho, pegue a saída 7B (rodoanel de Sorocaba) e entre a direita na Raposo Tavares (direção à Votorantim). Na Raposo Tavares, pegue a saída 102B com destino a Salto de Pirapora. É só seguir direto mais 74Km até São Miguel Arcanjo. Fica a aproximadamente 220 km de São Paulo.
dsc00178

Pousada Villa da Mata- São Miguel Arcanjo 

Ficamos na Pousada Villa da Mata, muito confortável, quase no centro de São Miguel, pagamos R$ 138,00 a diária para os três, a pousada é novinha e fomos muito bem atendidos pelo Sr. Claudinei.
Chegamos cedo, tomamos café, deixamos a bagagem no quarto e seguimos logo em seguida para Parque Estadual Carlos Botelho
Fones:(15)3379-1477,3279-1233,3379-9391.
A Sede do Parque fica a aproximadamente 25 km de São Miguel Arcanjo, uma parte em asfalto e depois em estrada cascalhada, mas boa.
“Momento história:” O Parque foi criado em 1982, abrangendo uma area de 37.664 hectares. É um dos mais importantes refúgios de vida selvagem da região sudeste do Estado de SP, fazendo parte do contínuo ecológico de Paranapiacaba, composto pelos Parques Estaduais Carlos Botelho, Intervales, Petar e Estação Ecológica de Xitué. Como explicaria mais tarde a monitora Brenda, existe um projeto de viabilizar uma trilha para percorrer os principais pontos deste contínuo ecológico. Ficamos muito entusiasmados com a possibilidade de um dia, quem sabe, percorrer esta trilha inédita e com uma riqueza de biodiversidades que não existe em outro lugar do mundo! Seria um grande atrativo até para amantes de trilhas do mundo todo, pensamos alto, sonhando acordados…
No Parque, fomos recepcionados pelo monitor Anderson, que nos explicou sobre o Núcleo, como chegar até o Núcleo Sete Barras e lá fomos nós…
Quando fomos da primeira vez, a estrada parque era ainda um projeto. Ficamos felizes em trafegar pela estrada agora, que recebe o nome de Nequinho Fogaça (SP 139) e podermos chegar ao Núcleo Sete Barras, 33 km depois, confessamos, que pareceram mais. Durante o percurso, há diversos pontos de interesse, como mirantes, rios e cachoeiras. Só trafegar pela estrada já vale o passeio.

dsc00116

No Núcleo Sete Barras, (13) 3872-6138, conhecemos o monitor Marcio, que nos indicou o caminho para a Cachoeira do Travessão. Segue-se a estrada em direção à Sete Barras por aproximadamente 5 km, até a indicação `a esquerda para o Bairro do Rio Preto.
Passamos a primeira ponte de concreto e depois deveríamos achar a segunda ponte de concreto. Lóoooogico, que nos perdemos, naquela imensidão de bananais, onde tudo era a mesma coisa, mas finalmente, depois de muito perguntar, conseguimos achar. Achamos que a melhor indicação seria: depois de encontrar a primeira ponte, procurar a segunda ponte de concreto, que passa sobre o Rio Ipiranga (fica perto de um povoado e todo mundo consegue indicar), logo após a ponte, pegar a estrada à esquerda em direção à Vitifruti, passará pelo sítio dos Irmãos Tavares, segue a estrada sempre em frente até o último ponto à direita, até o final onde o carro alcança, numa espécie de “clareira” de bananais. Daí, percorra uma trilha quase intocada de cerca de 15 minutos.
dsc00103

Cachoeira do Travessão- Pq. Estadual Carlos Botelho

Foi trabalhoso, mas valeu a pena! A cachoeira é linda e mais bonito ainda, é o imenso poço, formado abaixo. Mais especial ainda, foi que tivemos o privilégio de ficar neste lugar só nós 3, curtindo a beleza do lugar por um bom tempo… Chegaram, algum tempo depois, dois casais, mas observamos pelas placas dos carros, que eram moradores da cidade. Comentamos que para chegar sozinhos, ou sendo muito teimosos como a gente, ou o pessoal que já conhece o caminho…

dsc00107

Olha esse poço formado pela Cachoeira do Travessão- Pq. estadual Carlos Botelho

Voltamos pelo mesmo caminho, a volta foi tranquila, passamos pelo Núcleo Sete Barras,para nos despedir e agradecer ao monitor Márcio. Este nos disse que há a possibilidade de acampar no local (até a construção prevista da hospedaria no Núcleo). No Núcleo existe a Trilha da Figueira, de aproximadamente 2000 metros, que apresenta como atrativo ao final, uma exuberante figueira com aproximadamente mil anos. Como já eram quase 17:00 hs, acabamos não fazendo esta trilha. Existe também a Cachoeira do Ribeirão Branco, que deveríamos ter agendado, mas como não foi o caso, não visitamos.

dsc00123

Núcleo Sete Barras- Pq. Estadual Carlos Botelho

Voltamos para a cidade de São Miguel Arcanjo, para pousada, tomar um banho e procurar um restaurante. Não achamos nenhum, todos (não são muitos, na verdade) estavam fechados. Nos viramos com um yakissoba na pastelaria local. (R$ 7,00 a porção individual). Nada muuuito digno de nota, mas deu para saciar a vontade de comer comida mesmo. Vale citar o pastel, por cerca de R$ 2,00, e bem fresquinhos, até pela grande procura.

No dia seguinte, visitamos o Parque do Zizo que merece uma postagem separada.

dsc00183

Sede do Parque Estadual Carlos Botelho

No sábado, voltamos ao Parque, para visitar a Sede. Dormimos até tarde e chegamos por volta das 10:30 hs.Fomos recebidos novamente pelo Anderson e quem nos acompanhou na trilha foi a monitora Brenda.
Como diz o citado “Guia Parques”, apesar de estar próximo a dois parques bem conhecidos- Intervales e Petar, o Parque Carlos Botelho ainda é um destino pouco conhecido de ecoturismo. Sorte de quem o descobre. O parque oferece sossego, hospitalidade e um visual maravilhoso.
Na Sede é possível fazer as seguintes trilhas:
Trilha da Represa /Fornos: 4000 metros. Trajeto alternativo da Trilha da Represa, onde é possível avistar as ruínas de fornos de carvão da década de 40. Fizemos esta trilha na primeira vez que estivemos no Parque.
Trilha da Canela: 2000 metros. O destaque nesta trilha são as diversas espécies de canela.
Trilha do Braço do Rio Taquaral. 10000 metros. Seu percurso é feito às margens do rio Taquaral, passando por morros e mirantes. Também necessita de agendamento prévio de pelo menos 1 semana para a monitoria.
Trilha da Represa: 2000 metros. Decidimos, por conta do horário e estarmos um pouco cansados das trilhas dos outros dias nesta trilha curta. Outro grupo também de 03 pessoas se juntou à nós neste passeio. Uma trilha bem tranquila, bem larga no começo, só descendo, depois fica estreita, margeando o rio, até chegar à represa. Dali, são mais 200 m aproximadamente para chegar à Sede. No caminho, conversando com a monitora Brenda e com o outro grupo, nos interessamos em visitar a Cachoeira do Rio Taquaral.
dsc00195

Cachoeira do Rio Taquaral- São Miguel Arcanjo

Seguimos a indicação da Brenda, seguindo a Estrada Parque e depois da “prainha”, lotada de gente, achamos a plaquinha bem escondida e descemos até a cachoeira. A cachoeira possui duas quedas, e descemos até a segunda, onde batia mais um pouquinho de sol. Também tivemos o privilégio de termos o local só para a gente por um tempinho. Lanchamos lá mesmo, até começar a chegar muita gente, e iniciar aquele burburinho e gritaria que acontece em alguns lugares de muito fácil acesso e saímos rapidinho.

dsc00192

Represa- Pq. Estadual Carlos Botelho

Na volta à cidade, paramos numa das vinícolas locais (existem algumas, é só seguir as placas indicativas e o mapinha da cidade dá a indicação de várias), no caso a Torre Alta e compramos vinhos e suco de uva. Recomendamos, não somos de forma nenhuma, versados na fina arte, mas agradou a nosso paladar.
Desta vez, conseguimos finalmente jantar na cidade, no restaurante Vem Ká. Não sabemos se foi a fome, mas a comida estava realmente gostosa, bem caseira, funciona quase como um prato executivo, com arroz, feijão, uma boa salada, batatas fritas e a carne de preferência, por R$ 12,00, muuuuito bem pagos. Durante o dia, trabalha no sistema self service, mas à noite, a proprietária comentou que não compensaria. Perguntamos por que os restaurantes da cidade não abrem à noite, então foi explicado que a cidade recebe normalmente grupo de pessoas das empresas locais, portanto o movimento é maior durante a semana, e para almoço.Nos feriados e finais de semana, os funcionários das empresas voltam para as suas cidades, daí a cidade não ser muito “povoada” digamos…Estranhamos realmente, que parecíamos os únicos com cara de “turista” andando pelo centro da cidade,durante este período, como diz o Ricardo Freire, que turista tem cara de turista em qualquer lugar do mundo.
 dsc00199
Nossas impressões: A cidade é bem estruturada, tem tudo para se tornar um grande pólo ecoturístico, mas achamos que alguns detalhes poderiam ser incrementados: cidadezinhas muito menores apostaram no potencial turístico e criaram um Centro de Atendimento ao Turista, ou algo semelhante, para orientar o turista.
Normalmente, o trilheiro anda o dia inteiro e fica à base de lanches e à noite, sente falta sim, de uma comidinha caseira.
Como o acesso ao Parque (nos dois Núcleos) também é rota de passagem para o pessoal que acessa o litoral, os Núcleos acabam sendo utilizados muitas vezes como parada rápida ou, como observamos no Núcleo Sete Barras, como passeio de um dia pelo pessoal local.
Se for construída a hospedaria (o que seria extremamente interessante, sim, desde que implementada também a área de restaurante), deveria ser estudado uma forma de acesso diferenciado, para quem vem desfrutar da quietude do local. Confessamos que os fatores música alta, gritaria no riachinho e churrasco nos assustou um pouco…
Faltaram algumas atrações, nos dois Núcleos, a Cachoeira do Ribeirão Branco, a Trilha do Braço do Rio Taquaral e ainda o parque da Onça Parda, portanto, mais uma cidade que voltaríamos e quem sabe, ter mais boas surpresas na próxima vez, como a construção da hospedaria no Núcleo Sete Barras ou ainda, a tão aguardada travessia entre os Parques!
Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

Floresta Nacional de Ipanema

Como chegar: Através da SP 280, km 99-B e SP 097 sentido Sorocaba. Na rotatória da Cruz de Ferro,pegar sentido Iperó até acesso à esquerda, para estrada de terra (5 km). Fones: (15) 3266-9099. De terça à domingo, 8:00 – 17:00 hs. Entrada R$ 5,00 por pessoa (crianças até 12 anos e acima de 65 anos estão isentos da taxa de entrada). As trilhas são feitas somente através de agendamento prévio e a taxa do monitor na trilha varia conforme a trilha escolhida.
Flona de Ipanema  é uma reserva de cinco mil hectares de mata atlântica, administrada pelo Instituto Chico Mendes de conservação da biodiversidade.
É um Parque diferente. Em 5.000 hectares abriga reserva ecológica, fazenda e prédios históricos.
Existem três trilhas:
A Trilha de Affonso Sardinha : tem 5.779 m de extensão, 1 hora de duração aproximadamente e considerada de nível média. Nesta trilha estão situadas as ruínas de fornos tipo “catalães”, construídos pelo bandeirante Afonso Sardinha, em 1597. Estes fornos foram utilizados para a fabricação de ferro, pois ao invés de achar ouro e pedras preciosas como imaginava inicialmente, Sardinha acabou encontrando magnetita, diorito e outros minerais próprios para fundição. Essas ruínas marcam o início da siderurgia no Brasil.
A Trilha das Ruínas históricas : tem 1.200 m, duração de aproximadamente 45 minutos e considerada de dificuldade baixa.Abriga ainda um sítio arqueológico com cerca de 20% das instalações preservadas da Real Fábrica de Ferro de Ipanema, que funcionou de 1811 à 1895. Na parte histórica do passeio, fornos, locomotivas, tornos e rodas d’agua mostram como os primeiros artefatos de ferro fundido do Brasil foram feitos. As instalações contam com um forte, uma represa, a casa colonial onde funcionava o escritório da fábrica, e que inclusive hospedou D. Pedro II , os fornos e a fábrica de armas brancas.
A Trilha da Pedra Santa: tem 5.753 m de extensão, duração de aproximadamente 3 horas, considerada média e o nome desta trilha tem origem na figura lendária do monge Giovanni di Augustini, que viveu no Morro Araçoiaba entre 1844 e 1852, numa fenda na rocha de arenito, que passou a ser denominada Pedra Santa, pois lá ele fazia pregações e profecias. Francisco Adolfo de Verhagen, Visconde de Porto Seguro também é lembrado, pois a trilha leva até esse monumento, que foi construído para receber seus restos mortais. Do monumento de Verhagen é possível observar Iperó, Boituva, Votorantim e Sorocaba.
Casa da Guarda
Reservamos o passeio na sexta-feira à tarde com o Rafael, para o sábado de manhã e combinamos fazer a trilha da Pedra Santa. Ele nos recomendou levar água, um lanche e a trilha ficaria R$ 60,00 para um grupo de até 6 pessoas. Acima de 7 pessoas, cada integrante do grupo pagaria R$ 10,00.
Chegamos à Flona por volta de 9:30 hs, e encontramos um grupo de estudantes da Universidade de Sorocaba, de arquitetura e sua professora visitando o local junto com o nosso mais recente amigo, Rafael.
O que poderia ser um transtorno, acabou se mostrando no final, uma grande oportunidade, pois acabamos visitando o roteiro histórico antes da nossa trilha marcada, tivemos informações sobre detalhes das construções que não prestaríamos atenção se estivéssemos sós, além de ter acesso a locais que só foram abertos por estarmos com o grupo de estudantes de arquitetura.
Casa das Armas Brancas

A visita começou por volta de 10:30 praticamente, e visitamos a Casa das Armas Brancas, o Casarão, a primeira represa do Brasil, o portão homenageando a maioridade de D. Pedro II, os Altos Fornos, a ponte sobre o rio Ipanema,a Casa da Guarda e a Serraria,entre outros. As construções são impressionantes,algumas delas em processo de restauro. Como sempre, as fotos não dão a dimensão real do que vimos lá. É uma verdadeira viagem no tempo e um mergulho na história do Brasil. Se o passeio terminasse aqui, nossa visita já teria valido a pena!

Altos Fornos

 

Antiga locomotiva
O Rafael correu com a monitoria ao pessoal da Universidade por nossa causa, e ao meio dia a visita às ruínas históricas já terminava.
Ponte sobre o Rio Ipanema

Descansamos por uma hora, aproveitando para um pic-nic sob as árvores frondosas e esperar nosso monitor também para a segunda parte da visita.

Iniciamos a segunda parte do passeio, a trilha da Pedra Santa, às 13:00 hs, acompanhados pelo Carlos, que visitava o local e se juntou ao nosso grupo para a trilha, e por conta do horário, o Rafael aconselhou que fizéssemos somente metade da trilha, até a Gruta do Monge e retornássemos de lá.

Estava um calor muito grande, muito abafado, encontramos na subida uma turma de estudantes entre 8 e 10 anos, que visitavam o Parque numa excursão e as palavras de incentivo: …”-Nossa! Ainda bem que estamos no final da trilha!!!…, “-Olha!, Vocês que estão subindo agora, se preparem, é muuuuita subida!!!!”….”-É melhor vocês levarem muuuita água, viu. Logo no começo da trilha vocês já vão ter acabado com a água!…” e por aí vai, e o cansaço estampado no rosto da criançada realmente foi encorajador….rsrsrs

O calor foi amenizado quando pegamos a trilha por dento da mata, e aí, fizemos algumas paradas estratégicas, com direito a orientações sobre a fauna, a flora e até da geologia local, impressionantes, pelo Rafael, com direito até a “prova oral” da criançada, como disse a Júlia.

Gruta do Monge

 

Gruta do Monge
Chegamos à Gruta do Monge, o Rafael nos contou sobre a história do monge, da procissão que os moradores locais fazem até a gruta, paramos mais um pouquinho, e descemos a trilha, de volta, desta vez, fora da mata, por um caminho mais aberto, (e bem mais rápido).
No caminho, o Rafael nos contou que existe a possibilidade de pernoite lá em cima, na Pedra Santa, ou que daria para fazer uma trilha noturna também, levando barraca e pernoitando na área na frente do centro de visitantes. Imagina se já não nos animamos, com a idéia!!!
Nos despedimos, do Carlos e depois do Rafael, certos de que iremos voltar para uma das possibilidades que ele nos contou.
Nossas impressões: O passeio vale muito a pena, é pertinho de São Paulo, vale como passeio de um dia, uma alternativa ótima a programações “shoppings” óbvias, é muito acessível, para as crianças (e adultos) um passeio na história do Brasil de forma lúdica e agradável, além do contato com a natureza. Foi um passeio que nos surpreendeu e recomendamos!
Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter
Estação Eugênio Lefévre
Inevitável não citar a vizinha “glamourosa” Campos do Jordão quando falamos em Sto. Antonio do Pinhal, mas a descrição perfeita, copio aqui do Guia Quatro Rodas :…”Pode não exibir a arquitetura alpina da vizinha Campos do Jordão, mas tem o mesmo frio, a mesma névoa, o mesmo verde. É lugar para entocar-se em pousadas aconchegantes, admirar montanhas e comer truta a valer. Passeios ecológicos substituem a badalação, as cachaças são mais famosas que os chocolates, a sorveteria da esquina vende delícias com leite da fazenda”…

A nova alça de acesso da Rodovia SP 123 facilitou o acesso à cidade.

Visitamos a cidade uma primeira vez, quando a Júlia ainda era um bebê (mais ou menos há dez anos atrás) e ficamos na ocasião, Pousada Lua e Sol,uma gracinha de pousada, totalmente temática, desde o sabonete até os detalhes da roupa de cama e banho, tudo, além do mimo de ter o café da manhã trazido até o chalé e a simpatia da dona, que nos atendeu em tudo…
Pousada César
Desta vez, ficamos na Pousada César,  no Bairro José da Rosa, cerca de 10 km do centro. Temos que citar aqui, um sitesite  organizado por valores das diárias, super prático, você escolhe a faixa de preço e manda e-mail para o bloco todo de uma vez, sem aquela chateação de mandar um e-mail para cada pousada. Fica uma dica para todos os sites das cidades, esta organização torna bem prática a cotação para o turista.

Chegamos debaixo de uma chuva torrencial, bem cedinho, como é do nosso costume, e ficamos esperando na porta e depois de quase uma hora, uma funcionária veio nos receber, coitada, com imensos guarda-chuvas, que acabou só resguardando nossas cabeças…
Devidamente instalados, fomos para um café da manhã muuuuito bom, uns 4 tipos de pães, 3 tipos de bolo, chá, café, leite, 2 tipos de sucos, frutas diversas, frios, geleias, e depois de um lauto café, fomos nós, bater perna.

Começamos pela sorveteria Eisland, na fazenda Aconchego. Por causa do frio (e também do café), só visitamos o lugar, deixamos para apreciar o sorvete mais tarde…

Seguimos para a Cachoeira Lageado, esta é a cachoeira mais visitada pelos turistas, por possuir uma área arborizada para descanso e piquenique. Existe uma trilha pequenininha, atravessando uma ponte de madeira, e dando a volta por um bosque. A entrada custa R$ 2,00, mas não é nada muuuito assim, digno de nota.

Depois, visitamos A Bodega. A casa já é um ponto turístico na cidade, e vende cachaças com mais de 40 sabores tais como : mel, amora, figo, cambuci, uva, carambola, damasco, chocolate, cidreira… Os grandes frascos de vidro ficam dispostos na loja, onde você pode provar de todos os sabores, quantas vezes quiser. Cuidado! Tivemos experiências “tristes” na nossa época de solteiros, com esse tipo de degustação, lá na Chapada dos Veadeiros. Eu e nosso amigo Fábio, que o diga… Por causa disto, provei bem pouquinho…(êeee, manguaça!!!!). Acabamos levando uma garrafa de vinho artesanal da casa. O local vale o passeio, além das bebidas, é muito agradável, e tem um jardim bonito, nos fundos.
A essa altura do passeio, hora do almoço e seguimos a indicação das meninas da Pousada, o Restaurante da Beth, uma casinha bem simples, com comida caseira, bem atrás da Pousada. (Telefones: 12-36662199, 12-96015834). Pedimos o PF, R$ 8,00, com arroz com a carne de escolha (frango, bisteca, carne assada ou bife) mais feijão e salada. Super simples, mas muito bom mesmo.
Depois do almoço, gastar as energias. Fomos em direção ao centro da cidade, visitamos o Mirante do Cruzeiro, uma praça de onde é possível avistar toda a cidade e o local onde os moradores da cidade realizam a procissão da via Sacra, na época da Semana Santa.
Estação Eugênio Lefévre

Não poderíamos deixar de visitar ainda, a Estação Eugênio Lefévre, inaugurada em 1919, conhecida como “Estação do Bondinho”. Pelas informações, devemos pegar o trem em Campos do Jordão e pode descer em Pinhal, não o contrário, infelizmente…
Já que estávamos lá, (ai que desculpa esfarrapada!), não podíamos logicamente, deixar de experimentar o tãaao aclamado bolinho de bacalhau. Gente, estávamos empanturrados ainda, mas foi tão bom que comemos dois cada um!! Vale a pena!

vista do Mirante

Um pouquinho mais para a frente, a pé mesmo, seguindo os trilhos, você chega ao Mirante Nª Sª Auxiliadora, com um pátio ao redor, de onde se avista o Vale do Paraíba.
Já escurecendo quase, voltamos para descansar à Pousada.

No dia seguinte, tentamos achar as cachoeiras.
Não perca tempo com a Cachoeira do Cassununga.Fica atrás de um bar na beira da estrada, rodovia SP-50, onde cimentaram tudo, colocaram escadas, banquinhos e mesas em cimento. Um verdadeiro horrooor!!!!

Tentamos a todo custo, achar a tal Cachoeira Rancho Feliz, e pelas indicações do livreto turístico da cidade, a única coisa que conseguíamos achar toda hora, era um empreendimento imobiliário e quando perguntamos para o comércio local, indicaram que dentro do empreendimento é que estava localizada a Cachoeira. Fomos nós, na maior cara de pau, fazer de conta que íamos conhecer o empreendimento e procurar a Cachoeira.

Foi uma surpresa boa, fizemos a Trilha das Cachoeiras, uma trilha gostosa, para passeio, com várias quedas d’água, de todos os tipos e tamanhos, mas só resta saber se será aberta ao público, mas ao que tudo indica, somente os proprietários das residências do Condomínio é que deverão ter acesso. Uma pena, para turistas como nós, que apreciamos também descobrir lógico, as belezas naturais dos lugares que visitamos…

O homem que encarava as cabras

Continuando nosso passeio, visitamos o CaprAlemão e o Bode Expiatório. Um local interessante, onde as crianças (e os adultos) podem ver a criação dos animais, brincar com as cabras, experimentar vários tipos de queijo e também a cerveja artesanal do Bode Expiatório. Funciona no mesmo local que o atelier Bruxa da Montanha, com anjinhos, bonecas e calendários confeccionados em tecido.

Pharmácia de Quintal

Em frente ao CaprAlemão, fica a Pharmácia de Quintal, uma casinha simples, mas linda, na sua simplicidade. Oferece produtos elaborados com ervas e flores como temperos, xaropes, mel, vinagres e azeites com especiarias, sachês, travesseiros aromáticos. Só de entrar pelo quintal, você sente o aroma do lugar! Compramos sais aromatizados lá que são uma delícia para temperos!

Fazenda Renópolis

Já era tarde, cerca de 16 hs, e não havíamos almoçado, então fomos conhecer a Fazenda Renópolis  que vimos no livreto que ofereciam o chá colonial, esperando uma “casa de chá” aos moldes dos que conhecíamos.
A Fazenda pertence à família desde a década de 20 e dela se originou a Colônia Renópolis, povoada por colonos japoneses há décadas. Além do Chá colonial, você conhece o artesanato local e os produtos com ervas medicinais e aromáticas, que são produzidas pela própria família com matéria prima da fazenda.

quitutes do chá colonial

O “chá colonial” foi um verdadeiro banquete para nós: 3 tipos de sopa (feijão, canja e legumes), ovos mexidos, quiches, salada (com flores junto!), pães (2 ou 3 tipos), patês, bolos (9 tipos), chá, café, leite e 2 tipos de sucos. Criança paga meia e adultos, não me recordo muito bem, mas cerca de R$ 35,00~R$ 40,00, mas vale muito a pena!
Ouvimos dizer, que existe uma trilha que começa em Campos do Jordão, vai descendo pelos trilhos e termina na Fazenda Renópolis . Não deu para testar desta vez, mas nos prometemos voltar para esta “penosa” missão…rsrsrs

Passamos ainda, na volta da Pousada, por uma das propriedades da Colônia japonesa fixada pertinho da Fazenda Renópolis e compramos uma mudinha de cerejeira que há muito tempo o João procurava e não encontrava por aqui, em São Paulo.
Passamos também nas fontes (Fonte Santo Antônio), para abastecer nossos cantis e mais o que achamos de garrafinhas vazias dentro do carro.

Dia seguinte, antes de sair da cidade e voltar para casa, não podíamos deixar de experimentar o sorvete na Eisland desta vez no centro da cidade. Experimentamos o menu degustação das 9 bolinhas, por R$ 15,00. O sorvete é saboroso, muito cremoso, feito com leite e creme de leite de gado jersey da fazenda Sítio Aconchego.

Nossas considerações finais: um lugar muito gostoso, pertinho de SP, 180 km,não dá nem tempo de cansar da viagem, bom para todos os tipos de visitantes, desde os casais românticos até para viagem com crianças, agradando a todos os gostos e bolsos.
Pelo relato (e a nossa gula também), deu para perceber que é uma viagem gastronômica também!
Não deu tempo de ver todos os atrativos, como os vários locais com artesanato (a História em Retalhos, Morito Ebine, Atelier Eduardo Miguel,o Jardins de Barro, a Oficina das Artes, entre outros), o Pico Agudo… e que só aumenta a nossa vontade em voltar para esta simpática cidade.

Viagens em família, com crianças e adolescentes voltadas principalmente ao Ecoturismo
Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

Dia 13-11/01/11- 3ª feira- Punta Arenas- Puerto Natales- El Calafate

Depois do café, saímos de Punta Arenas para Puerto Natales no Buses Fernandes (só atravessar a rua, praticamente) às 9:00 hs, debaixo de frio e uma chuva fininha.
Chegamos a Puerto Natales por volta das 13:00 hs. Passamos no Nikkos para pegar nosso equipamento de acampamento deixado lá e levamos até a agência de viagens.
Nosso ônibus sairia às 18:00 hs, tempo então para almoçar (no La Tranquera, Manuel Bulnes, 581, menu do dia,merluza com purê de batatas ou bife a milanesa com arroz por CH 3.500,00 o prato) e comprar algumas coisinhas.
A cidade já estava em movimentação para a greve marcada para iniciar aquela noite. Vimos chegando carros do exército, soldados fardados e os Carabineros do Chile. Alguns comerciantes locais, já nem atendiam mais os turistas, preocupados em preparar faixas e cartazes para a paralização do dia seguinte. Mal sabíamos da nossa sorte em estar saindo da região ainda nesta noite, pois no dia seguinte, já estaria tudo fechado, como pudemos constatar nos noticiários quando chegamos em casa.
O ônibus da Cootra saiu às 18:15 hs e passou por outro lado, na portaria via Rio Túrbio.
Chegamos em El Calafate por volta das 23:30 hs, sem nenhum táxi no terminal de ônibus para o nosso desalento total e fomos lá, caminhando com todo a bagagem de acampamento e agora todas as nossas compras até o Hostel América Del Sur, que já nos esperava e onde fomos recebidos com um entusiástico “Hola, Marcia, sejam bem vindos de volta!!!” pelo simpático Patrício àquela hora da noite, foi um alento.
Observamos que apesar da demora nos translados, foi muito bom termos deixado tudo reservado assim que chegávamos. Portanto, reservar sua volta de Punta Arenas para Puerto Natales ou El Calafate, assim como sua hospedagem na cidade de destino é importante, pois vimos pessoas tendo que esperar ou simplesmente saindo procurar outra alternativa de transporte e de hospedagem na hora, o que nem sempre é possível.

Dia 14- 12/01/11- 4ª feira- El Calafate- Buenos Aires-São Paulo

Tomamos café, arrumamos pela última vez nossa bagagem, fizemos o check out, deixamos as malas no hostel, pedimos um táxi para nos levar até o Aeroporto e descemos para o centro para esperar o horário do vôo.
Andamos no centro de novo, comemos de novo nas empanadas, com a diferença desta vez que a proprietária estava presente e nos destratou achando que estávamos consumindo outros alimentos que não o dela. Indicamos o lugar da primeira vez, mas devido a este fato desagradável, desaconselhamos. Ficamos chateados com a situação, e como já era quase hora de voltar para esperar o táxi, voltamos ao hostel, nos despedimos da equipe com um forte abraço e rumo ao aeroporto.
Estava um caos o aeroporto de El Calafate, demoramos 1:15 h para fazer o check in e embarcamos para Buenos Aires por volta das 15:40 hs. Desembarcamos em Guarulhos à 1:30 h e assim terminou nossa já saudosa estadia neste país fascinante!

Viagens em família, com crianças e adolescentes voltadas principalmente ao Ecoturismo
Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

Dia 11-09/01/11- domingo- Puerto Natales- Punta Arenas

Café bem simples no hostel. Café, chá, pão, manteiga, geléia, suco de laranja e iogurte. Pegamos o ônibus às 10:00 hs e combinamos de deixar todo o equipamento de camping, que não iríamos utilizar no hostel para pegar na volta, no dia 11/01.

Chegamos a Punta Arenas às 13:00 hs, e mais um probleminha. Não anotamos o endereço do hostel, pois em toda cidade que chegamos as pessoas sabiam pelo nome onde ficavam as hospedagens (até aqui no Brasil, em qualquer cidadezinha). Perguntamos no terminal do Buses Fernandez, para os taxistas e nada. Ficamos lá parados, e apareceram na nossa frente nossas fadas madrinhas , Marilisa e Voluspa, que tentaram nos ajudar a descobrir o hostel, mas como disse a Voluspa, em Punta Arenas, com 250 hostels, se não tivermos o endereço do lugar, nada feito.
Nos levaram ao Hostel que elas ficariam, Joshiken, na mesma rua do Buses Fernandez e acabamos ficando lá mesmo, pois o preço era bem semelhante ao que havíamos reservado antes, ficava pertinho do centro, havia a indicação das nossas recém conhecidas amigas e ser muito limpo e aconchegante.
É uma cidade portuária, e sua principal atividade hoje está centrada no turismo. Seu porto recebe transatlânticos que utilizam a cidade como ponto de partida para viagens à Antártida. É uma cidade bonita, e o que surpreendeu foram as grandes construções, antigas, com uma arquitetura muito bonita.

Deixamos nossas coisas no Hostel, passamos no mercado, Unimarc, compramos algumas coisinhas para comer, fizemos farofa ali mesmo no estacionamento do mercado, para vergonha completa da Júlia; encontramos um pessoal que fez o W, em Torres Del Paine também,nos cumprimentamos como velhos amigos. Depois, pegamos um táxi (CH 2.000,00~2.500,00 ) até a tão famosa Zona Franca, na entrada da cidade, na verdade, nosso motivo principal para visitar Punta Arenas.
É um “shopping”, praticamente, com várias lojas, mas sinceramente, foi uma decepção. Qualquer shopping de São Paulo é maior, e infelizmente, como estamos acostumados na metrópole de compras do Brasil, acabamos comparando preços, oferta de produtos, variedades, novidades e em nenhum quesito destes a Zona Franca ofereceu vantagens. Como era domingo, nem todas as lojas estavam abertas, mas serviu para vermos os preços. O que vale a pena, são realmente, as roupas, sejam elas as esportivas e técnicas (loja Balfer) ou as roupas normais mesmo.
Atravessamos em frente a Zona Franca e fomos ao mercado Sanchéz & Sanchez e lá fizemos a festa comprando roupas para o inverno, com preços realmente bons.
Voltamos ao Hostal, e pedimos indicação de restaurante, e nos indicaram o Restaurante Arco Íris, ao lado do Unimarc, na Rua Bories. Um bufê de self service imenso, com comida chinesa, vários tipos de salada, massas, churrasco, muita variedade, com sobremesa (vários tipos) incluída por CH 6.500,00 por pessoa. Vale muito a pena!
Voltamos rolando para o Hostal para descansar.

Dia 12-10/01/11- 2ª feira- Shopping

Café no Hostal com pão, manteiga, duas fatias de queijo e presunto para cada um, café e suco.
Dia literalmente de comprar. Depois de nos despedir das nossas fadas madrinhas que estavam indo embora, fomos para as lojas no centro de Punta Arenas, (principalmente na Rua Bories e arredores), e nesta época, os grandes magazines, (Johnson, Corona, Estilo de Vestir, etc) estão fazendo suas liquidações, com 60, 70% de desconto ou do tipo pague 1 e leve 2. Almoçamos no centro novamente no Restaurante Arco Íris, que foi muito bom e aproveitar o horário da siesta, onde todas as lojas fecham (entre 12:00~12:30 hs, retornando por volta das 15:00 hs, inclusive na Zona Franca).
Andamos numa ventania horrorosa, que quase nos arrastava pelas ruas!! Parece inacreditável, mas é essa a sensação mesmo, de ser carregado a qualquer momento pelo vento!! Soubemos no dia seguinte, no Hostal, que o vento atingira 120 km/ h!!!

Seguimos depois novamente, para a Zona Franca para dar uma última olhada, agora com as lojas abertas, confirmar que não vale a pena mesmo, passamos em frente, no mercado Sanchéz & Sanchéz para mais algumas aquisições. O taxista que nos levou para a Zona Franca nos informou da greve que teria início no dia seguinte, mas não imaginávamos a dimensão desta paralisação. Voltamos para o centro à noite, comemos um tostado com chá e chocolate quente e fomos ver o mar de Punta Arenas no friiiiiiooooooo.

Viagens em família, com crianças e adolescentes voltadas principalmente ao Ecoturismo
Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

Dia 10-08/01/11- sábado- Chileno- Hosteria Las Torres-Puerto Natales

Café da manhã, o mesmo que o anterior , mas sem o mingau de aveia e geléia no lugar de doce de leite.
Saída do acampamento por volta das 10:00 hs. Conforme o previsto no mapa do Parque, realmente a descida foi feita em 2 horas, considerando até que estávamos com carga, a descida foi muito tranqüila.
Legal foi ver também a comemoração de cada trilheiro que chegava, normalmente era recebido com uma salva de palmas por aqueles que estavam esperando o ônibus, e também a comemoração dos grupos que chegavam, comemorando o circuito W realizado, e nos parabenizamos, quietinhos, e principalmente, nossa filha valente.

Usamos o banheiro da Hosteria Las Torres e ficamos até com vergonha de pisar lá dentro, pois nossa ‘indumentária” , como diz meu sogro, sujo e fedido de 6 dias de trekking não combinava nadinha com aquele lugar chiquetê, mas foi um alento entrar em um banheiro limpo, depois de 6 dias, e foi a primeira vez que vimos um espelho, depois de muito tempo…

Esperamos o ônibus que sai às 14:00 hs de frente da Hosteria e que nos levou até a Guarderia Laguna Amarga, por CH 2.500,00 por pessoa. Como comentado nos mochileiros, realmente é um percurso de 7,5 km numa estradinha sem graça, e creia-me, depois de ter andado tanto e visto tanta coisa linda, vale a pena pegar o ônibus. Não precisa reservar, é só subir e pagar. Vimos um grupo de pessoas também esperando, mais na frente, perto da área do acampamento e o motorista comunicava via rádio, que haviam mais 15 pessoas aproximadamente, e entendi que mandariam um outro ônibus realmente, como eles haviam informado aos outros passageiros que não conseguiram embarcar neste.
Desembarcamos em Laguna Amarga 30 minutos depois, e o ônibus da Buses Gómez, que havíamos reservado, chegou logo em seguida. Apresentamos o voucher, pagamos as passagens (CH 8.000,00 por pessoa) e embarcamos rumo a Puerto Natales.
Paramos novamente na Cafeteria El Ovejero e nosso almoço foram 3 empanadas saídas do forno.

Chegamos a Puerto Natales por volta das 18:00 hs, no Nikkos II, que havíamos feito a reserva via internet, mas não havíamos pagado, junto com outros turistas que saltaram do ônibus, inclusive brasileiros. Aconteceu algum problema na reserva e fomos transferidos pelo mesmo valor do Nikkos II, ao Nikkos I. As instalações do Nikkos II, aparentemente, pois não pudemos entrar, são mais novas e melhores que sua matriz e percebemos que talvez o “problema” foi que deram preferência para aqueles que haviam feito e pago a reserva.
Em circunstâncias normais, iríamos estressar, afinal foi dito que poderíamos pagar na apresentação, e as instalações não eram lá, essas coisas, mas depois de 6 dias de acampamento, a Júlia e nós ansiávamos por dormir sob um teto, poder tomar um banho no tempo que cada um quisesse, sair no quarto quentinho, e não no vento e dormir numa cama, que não ligamos e achamos tudo ótimo.
Interessante como dependendo do momento e das circustâncias, nossos valores são relativos…São mais um dos aprendizados que temos viajando…

Lá fomos nós, bater perna na cidade e arrumar as passagens de ônibus para Punta Arenas para o dia seguinte e a volta de Punta Arenas para Puerto Natales e depois para El Calafate, para o dia 11/01. Conseguimos na Buses Fernandes um ônibus para Punta Arenas às 10:00 hs no dia seguinte e no mesmo horário a volta para Natales. (CH 4.000,00 por pessoa cada trecho).Numa agência perto, a Carfran, conseguimos a volta para El Calafate somente para às 18:00 hs. (CH 12.000,00 por pessoa).
A cidade é pequenininha, cerca de 20.000 habitantes apenas, e é a porta de entrada para o Parque Nacional Torres Del Paine, e se movimenta em torno praticamente do turismo. Não é uma cidadezinha “bonitinha” como El Calafate, mas tem uma característica mais rústica,mas mais autêntica, com suas casinhas de madeira simples.
Em Puerto Natales, existem várias empresas de ônibus, Buses Fernandez, Zaahj, Cootra, Pacheco e Buses Sur, espalhadas pelo centro, com horários diversos. Somente depois de agendado estes horários é que descobri num guia que compramos da Lonely Planet, que existiam ônibus direto de Punta Arenas para El Calafate pela Bus Sur.

Comemos um hambúrguer do Masay Pizzas, Manuel Bulnes, 427, indicado pela moça da lavanderia que fica ao lado do restaurante Picada de Carlitos (CH 1.500,00 o kg da roupa, o melhor preço que encontramos), e o hambúrguer é conforme a Júlia disse tamanho Man X Food, (um programa besta que assistimos de vez em quando), enooorme, mas uma delícia, e impossível de comer praticamente um inteiro sozinho. Só tomem cuidado com o catchup, que é picante demais (aliás, acho que trocamos o frasquinho e na verdade era pimenta mesmo!!! Hahahha!). Pagamos CH 13.500,00 os 3 hambúrguers mais 3 refrigerantes.
Voltamos ao hostel e dormimos divinamente, numa cama, quentinhos, depois de 6 dias de acampamento.

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

 

 

Travessia Acampamento Los Cuernos – Acampamento Chileno e Mirador Torres
Final do Circuito W
Dia 08- 06/01/11- 5ª feira- Cuernos- Chileno

Saímos dos Cuernos, por volta das 9:30 hs. Tomamos sopa de café da manhã, para ver se conseguiríamos mais “força” para a travessia, de aproximadamente 16 km. Só de saber a distância, já dava um cansaço antes do tempo.
A primeira parte do percurso é subida, cansa bastante; no meio do caminho dá uma suavizada, com descidas e partes retas, onde eu e a Júlia conseguíamos um rendimento melhor. A mochila estava um pouco menos pesada, pois havíamos consumido boa parte dos mantimentos e também adotamos a estratégia de colocar o sleeping da Júlia, por dentro da mochila, dando uma estabilidade maior, além das roupas sujas serem carregadas pelo João.
A carga do Ogro
Existe realmente um atalho, no meio do caminho, então, em vez de seguir até a Hosteria Las Torres e subir, pegue o atalho à esquerda. A subida bem no começo é devastadora, quando a gente via o sinaleiro laranja lá no topo do morro, dava até uma canseira antecipada. Encontramos um casal logo após a subida, perguntamos se estava muito longe, e eles disseram que deveriam faltar umas 2 horas, mas que o caminho era muito bonito de se fazer, com vistas de lagos, belas flores de campo e algumas vezes a visão de condores.
Trilha Cuernos-Chileno
De fato, avistamos tudo isso, menos os condores, e fomos subindo, subindo, subindo.
No finalzinho da trilha, o atalho se junta com a trilha principal que vem da Hosteria Las Torres para o Acampamento Chileno e depois para o Mirador Torres. Penamos na subida, mas a visão que tivemos do vale , com o Acampamento Chileno fincado no meio do vale, foi, para nós a visão mais bonita que tivemos na vida.
Acampamento Chileno

Novamente, as fotos não traduzem a beleza do lugar, além do fato de termos sentido o que achamos que se sente quando se avista um oásis num deserto. Nosso lugar de chegada e  de descanso, finalmente estava lá, ao alcance da visão (longe, mas estava lá).

O Acampamento é pequeno, todo o lugar cheira a b. de cavalo, pois estes levam os hóspedes da chiquetérrima Hosteria Las Torres que não conseguem (ou não querem, lógico), andar todo o percurso a pé até o Campeamento Chileno, têm dois chuveiros quentes que funcionam (importantíssimo) e dois sanitários (um feminino e outro masculino), além de uma impressionante composteira de esterco a céu aberto que não deu para entender qual a finalidade daquilo, mas…
Montamos acampamento e resolvemos nos dar de presente, até o final do período do W, o restante dos jantares e dos cafés da manhã.
Jantamos sopa de entrada, um frango com creme esquisito e salgado, uma torta de batata com creme de leite gratinado e de sobremesa um mousse de chocolate com coco ralado em cima.

Dia 09-07/01/11-6ª feira- Chileno- Mirador Torres

Café da manhã no acampamento, mingau de aveia e leite (até eu tomei, e confesso, estava uma delícia!- detalhe, eu não tomo leite nunca, em hipótese alguma…), suco de laranja, 2 fatias de pão caseiro chapeados, café e chá, manteiga , doce de leite e ovos mexidos (até o João que não come ovo frito comeu e achou bom).
Olha as pessoas, parecem formiguinhas…
Subidão. Você sai de 400 m para chegar na região do Mirador, a quase 900 metros. Quase desistimos no meio do caminho, mas uma moça passou pela gente, deu uma injeção de ânimo na Júlia e conseguimos força para continuar mais um pedacinho.
É um trecho complicado, com aquela areia toda e pedrinhas que vão escorregando, mas devagarzinho, você consegue chegar. O João foi primeiro, fiquei com a Júlia numa parte do caminho que ela cansou, esperei o João voltar e depois fui eu.
Mirador Torres
É uma visão clássica, das Torres, com o laguinho verde aos pés, mas vale a vista. O que foi “interessante”, é a quantidade de pessoas lá em cima, descansando,  comendo e observando o lago. Guardada as proporções, e o visual da turma, procurei o ônibus da CVC que havia despejado toda aquela gente ali.
Aliás, cabe dizer aqui, que durante todo o percurso, não ficamos nunca absolutamente sozinhos. Sempre encontrávamos as pessoas, e interessante, como isso é universal, seja lá na Patagônia, ou nas Chapadas, quando você encontra um trilheiro, cumprimenta. Teve momentos que até cansava de “…hola, hello, hi”…
Bem legal era encontrar pessoas que você já havia encontrado no Hostel em El Calafate, ou pessoas que estavam na excursão e depois tornava a encontrar, ou encontrado nos acampamentos anterior e nos saudávamos como se fôssemos amigos de muuuito tempo…
Depois da travessia do dia anterior,com bagagem e tudo, a subida para o Mirador acabou tornando-se até relativamente “tranqüila”.
Voltamos para o Acampamento, e jantamos desta vez sopa, torta de batata com carne moída (modéstia de novo à parte, ai que saudades da minha torta de batata com carne…) e salada de frutas de sobremesa. Dormimos cedo, pois acho que foi o dia mais frio que enfrentamos em acampamento nesta noite. Os sleepings que compramos Quechua, foram testados e aprovados nesta noite, apesar das opiniões contrárias a marca dos mais elitistas.

Aqui cabe novamente um comentário a respeito do nosso roteiro. Também não sabemos até agora se foi melhor ter ido direto do Cuernos até o Chileno, e poupamos pela metade a subida até o Mirador Torres no dia seguinte.
O fato é que, realmente, da Hosteria até o Mirador, é subida que não acaba mais. Se optar por este formato, em vez de sair de 400 m, como nós saímos, você tem que sair de 135 metros para chegar ao Mirador, à 900 m.
Quando você chega no Chileno, ainda tem mais o dobro de subida. Depende do seu grau de resistência à subida. No meu caso e da Júlia em particular, é nossa maior fraqueza.
Como eu já contei, existe a opção (não sei informar direito quanto custa e os maiores detalhes), mas os cavalos devem ser agendados e reservados na Hosteria Las Torres, o Campeamento Chileno não faz este serviço. (pelo que pudemos observar, são os hóspedes da Hosteria que utilizam o serviço).

Nossas considerações finais para o Circuito W:

1- O Circuito W de Torres Del Paine, é factível sim, porém desaconselhamos para crianças (apesar da nossa ter ido, completado o percurso, mas sofrido um pouco, coitada, pelo fato de ter que carregar seu equipamento) de até seus 14~16 anos, a não ser que sejam crianças muito habituadas a trekkings pesados.

2- Achamos que a estrutura de Puerto Natales para quem vai a Torres Del Paine fazer o circuito, ou que seja um trekking com alguns dias é bem melhor que El Calafate. Os mercados têm mais opções de alimentos, existem casas que vendem frutas secas de todos os tipos, a oferta de suprimentos de acampamento são maiores, as opções de transporte são maiores e a distância para o Parque é menor.

3- Se possível, reservem tudo com antecedência. Não sabemos se conseguiríamos voltar se não tivéssemos reservado nossas passagens de ônibus antes.

Viagens em família, com crianças e adolescentes voltadas principalmente ao Ecoturismo
Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter
Acampamento Paine Grande para Los Cuernos

Travessia Acampamento Paine Grande até Acampamento Los Cuernos
 Meio do Circuito W

Dia 6- 04/01/11- 3ª feira- Pehoe- Cuernos

Um visual lindo, mas a mochila pesava muito, cansamos bastante, tivemos que fazer várias paradas para descansar, o vento foi aumentando, a Júlia não agüentou toda a bagagem e acabou passando para o João o sleeping dela.

Resultado: conseguimos chegar no Italiano somente lá pelas 16:00 hs,detalhe, a caminhada de acordo com o mapa do Parque fala em 2,5 h, exaustos, e ainda sabíamos que tínhamos que chegar ao Cuernos. Na verdade, acabamos optando por ir até o Cuernos por causa de alguns relatos, onde diziam que, o acampamento tinha sido fechado por causa de muita m… espalhada, por não existir banheiro, ser um acampamento selvagem, etc.

Foi uma pernada à mais de 5,5 km para chegar até Cuernos e no dia seguinte para voltar até lá para visitar o Vale do Francês, os 5,5 km de volta, mais 5,5 km novamente de volta até o Cuernos, ou seja, realmente, 16,5 km a mais.Temos que considerar ainda, o caminho para o Vale do Francês, de 5,5 km.

Não sabemos dizer até agora, se valeu a pena ou não, mas, ficam aqui algumas informações constatadas: o acampamento é grande, realmente não tem chuveiro, mas tem 4 banheiros e não tem pia nenhuma, ou área para pegar água. Vimos uma estrutura onde poderia ser um abrigo para cozinhar, provavelmente, mas não não haviam mesas ou bancos, seria colocar o fogareiro no chão e cozinhar assim mesmo.

Não tinha jeito mesmo, afinal já havíamos reservado nossa área de camping no Cuernos, através do Fantastico Sur e até o banheiro não nos pareceu lá, tanto problema, mas não tínhamos água, então, seguimos em frente, depois de uma breve pausa para comer alguma coisinha.

 
No caminho do Italiano para o Cuernos, o vento aumentou muito, e mesmo com o peso que carregávamos, por incrível que pareça, éramos quase que jogados ao chão. Nunca havíamos visto ventar tanto na água, que a água levantava e virava quase que um chuvisco, chegando a nos molhar, quando passávamos perto dela. Para completar a desgraça, ainda erramos um trechinho do caminho, na praia de pedra e tivemos que refazer o percurso.
Chegamos exaustos no acampamento Cuernos, um lugar muito bonito sim, mas a infra… dois vasos sanitários e um chuveiro, pois o outro estava quebrado, para todo mundo!! Um horror!!!Ainda mais por causa da ventania, tudo estava coberto por terra. O cansaço foi tão grande, que preparamos mal e mal uma sopa de letrinhas,após montar a barraca, não deu coragem de usar os chuveiros, e mesmo que tomássemos banho, rapidamente seríamos transformados em milanesa com terra preta assim que saíssemos, então usamos nossos lencinhos umedecidos e desabamos exaustos. A única alegria aqui, foi a Júlia, que disse que estava morrendo de vontade de tomar aquela sopa de letrinhas, e tomou aquilo como se fosse a coisa mais deliciosa do mundo, com uma alegria ainda de criança, que foi marcante. Modéstia muuuito a parte, mas tivemos muito orgulho deste desprendimento dela, apesar de todo o esforço enfrentado no dia.
 

Dia 7- 05/01/11-4ª feira-Cuernos- Vale do Francês

Voltamos só de mochilinha para o Vale do Francês. Fizemos todo o percurso de volta dos Cuernos para o Italiano, só que bem mais aliviados e tranqüilos.
O percurso, realmente, só de mochilinha é tranqüilo até, tirando uma parte de subida. Neste percurso, deu para tirar fotos com calma e ir mais devagarzinho. De mochilinha, conseguimos fazer o percurso como consta na indicação do roteiro do parque, em 2,5 hs, até o Acampamento italiano.
 

Começamos a subida do Vale do Francês, até alcançarmos um lugar com vista para o Glaciar do Francês e a Júlia, muito cansada do dia anterior (e confesso, eu também), acabamos ficando por lá. O João seguiu até o final da trilha, e depois, voltamos para o Cuernos. No caminho, na praia de pedras, ele cumpriu o que tinha prometido, de dar um mergulho pelo menos na Patagônia. Entrou e saiu, gritando de frio, logo em seguida, mas cumpriu a promessa.
Tínhamos reservado um jantar e lá fomos nós, para nossa primeira refeição depois que iniciamos o W. Foi mais à título de experimentar o  tipo de comida e um presente para nós três, depois do sacrifício do dia anterior. O preço é realmente salgado, comparado ao custo benefício, digo do que é servido, mas vamos combinar que uma comida fresca, realmente não tem preço . Foi servido uma sopa na entrada, depois uma carne (que não conseguimos identificar que tipo) com arroz a grega e depois, uma salada de frutas com creme de leite. Além do preço da refeição, atenção para as bebidas.  A latinha de refrigerante custa CH 2.000,00, assim como o pacote de bolacha recheada.
Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter