Faculdade fora do Estado

#crônicas

Aviso: este posto é off topic… mas depois das nossas experiências, achei interessante compartilhar. Tá… não vai interessar ninguém do universo de viagens…Talvez só para os pais dos alunos que irão passar por isto. E dos próprios interessados…

Mas não posso deixar de dizer que parte do que usamos aqui vieram das nossa etapas básicas de um planejamento de viagem (com uma estadia beeem mais extensa).

Contei lá no finalzinho do arrastado ano de 2016, que a Júlia tinha passado na Faculdade. Mas não foi tão fácil assim… foram etapas, etapas e etapas…O peculiar dela é que o curso que ela almejava não tinha no Estado de São Paulo…assim como pode ser o seu caso…

A primeira faculdade que ela entrou foi no Centro Oeste. Faculdade privada. Corremos no mês de dezembro de 2016 para levar documentação e efetivar a matrícula.

Depois, em janeiro, veio o resultado do ENEM e do SISU. Aprovação agora em faculdade pública. Cancelamos tudo o que havia sido feito em dezembro para correr para o Nordeste em fevereiro. Se você está na mesma situação, acho bom começar a entender o processo… essas palavrinhas mágicas vão povoar a sua realidade nestes dois primeiros meses…

Dito isto, vamos para os passinhos do Planejamento:

Primeiro passo:Cotações de passagens

Já vá fazendo cotações de passagens. Não existe (na nossa pequena experiência) opção de inscrição on line. O negócio é presencial. O pior é que só dá para efetivar com  a certeza do ingresso na faculdade. Nós vimos passagens para a cidade até domingo, coisa de R$ 260,00. E não sei porque achávamos que poderia ser on line. Na segunda, ela ligou para a faculdade, informaram que era só presencial e que tínhamos dois dias para efetivar. A passagem aérea tinha passado naquela manhã para R$ 600,00. Qual foi a opção? Ir de ônibus… 16 horas no lombo do ônibus…pelos exatos R$ 260,00 que havíamos visto no dia anterior… isso só para ida, claro…

Por isso, não adianta sair comprando a passagem antes de algum resultado… mas é bom para você ter um parâmetro de preço.

-Segundo passo: Documentação

Já vá preparando o terreno. Peça no colégio o histórico escolar. O documento leva um bom tempo para sair oficialmente. Peça um documento de conclusão do curso pelo menos. Cada escola tem o seu formulário próprio. Mas que prova que você terminou o ensino médio. Na matrícula eles não te pedem isso… mas você tem que levar dentro de um período específico (de até ___ meses) normalmente depende do início do ano letivo.

Documentos básicos, RG, CPF, Certidão de Nascimento,Título de eleitor (se já for o caso), comprovante de endereço, fotos, enfim… pense em documentos básicos. Se perdeu, ou o documento venceu, já vá providenciando.

Terceiro passo: Hospedagem

A pessoa vai ter que ficar em algum lugar.

Percebemos que as opções variam de localidade para localidade.

No Centro Oeste, (mais especificamente Goiânia) procuramos mas não conseguimos encontrar outras opções se não o aluguel de apartamentos.

Você é novo na cidade, não conhece ninguém e não tem como sair alugando apartamento dividindo com colegas.

Quem nos deu boas dicas foi o próprio pessoal da Faculdade. Pergunte no diretório estudantil ou até na Secretaria. É a realidade das pessoas e eles dão algumas dicas que nem passavam na nossa cabeça.  Estava fora do nosso orçamento alugar um apartamento sozinha. E encontramos algumas opções com quartos compartilhados, pensionatos e os próprios apartamentos. Existe ainda a opção de repúblicas, que não foi possível para nós. Também pode ocorrer a divisão de um apartamento, mas de novo… no começo do curso você ainda tem que conhecer as pessoas. E morar junto envolve um mínimo de conhecimento, é pior que casamento, porque você vai conviver com a pessoa 24 horas por dia. Pense nisso.

Existem fóruns de estudantes também no Facebook, onde são ofertados desde compartilhamento de moradias até móveis usados.

O que você deve avaliar:

-Localização: se é perto/acessível da Faculdade (não adianta ser lindo o lugar e demorar 2 horas de translado, por exemplo). Se não é um lugar ermo, perigoso (joga na internet e você vai saber se existem muitas ocorrências pela localidade ou não. Parece paranóia, mas é um diferencial.

-Frequência: Infelizmente só será possível estando no local. Visitamos na primeira cidade, uma pensão que era mista, mas se dizia familiar e da melhor frequência. Saímos de lá horrorizados. Os quartos eram claustrofóbicos, separados por uma fina divisória de madeira, sem teto, e banheiros coletivos. E não vimos uma mulher, só homens (parece protecionismo gente, mas têm que ver todas as situações).

Na ocasião, optamos por pagar um quarto, onde uma senhora alugava, com banheiro separado para ela, bem perto da Faculdade. A senhora morava sozinha e trabalhava em casa como costureira. Nas condições que encontramos, seria a melhor opção.

Na segunda vez, na segunda cidade, visitamos um pensionato feminino, limpo, organizado e… só vimos mulheres…

-Facilidades: Têm lugar que você paga um pouco mais, mas oferecem cama, comida, roupa lavada. Têm outros que um ou outro. Avaliem. No nosso caso, como ela foi acostumada a fazer tudo, então não se apertou com comida, nem com outras atividades domésticas. O que está incluído, a limpeza, a internet, apetrechos de cozinha…

Dica: Aprendemos isso da segunda vez… então já adianta o seu expediente: Já sabe qual é a Faculdade, então pesquise antes as opções de hospedagem. Quando for fazer a matrícula, já vá com o endereço das hospedagens na mesma viagem. Trace uma rota e depois da matrícula (que é o objetivo principal) migre direto para as visitas pessoalmente dos lugares (por isso, já deixe agendado com o proprietário/cuidador do local). Você vai ter a noção real do que é a hospedagem, o tempo e as condições de transporte, a frequência. Mais ainda… eu cheguei um pouquinho antes do horário marcado. Pegar o local um pouquinho desprevenido te mostra a situação nua e crua. Isso é para o bom e para o mal.

Na nossa pequena experiência, digo que a opção de pensionato no início é a mais confortável. Você normalmente paga por um quarto privativo, o local já tem uma estrutura básica, logo não há um investimento inicial muito pesado, com mobiliário e custos mais elevados.

-Quarto passo: Transporte

Vai existir a locomoção até a Faculdade. No nosso caso, além de ser fora do Estado, ela ainda tem o deslocamento de uma cidade para outra. Tentamos algumas opções, mas todas foram muito caras e inviáveis. Para “sentir” de verdade, fizemos o trajeto que teria que ser feito todos os dias. Vimos as condições do local do transporte, do transporte em si, de onde desceria, essas coisas.

-Quinto passo: Estrutura (Diversos)

Fica junto com as condições da hospedagem e o que ela tem a oferecer. Pode ser o caso de comprar apenas alguns acessórios para o banheiro e/ou cozinha, ou ter que adquirir coisas básicas como a cama/colchão, fogão, geladeira, etc.

Aqui, coloco só este tópico como lembrete, de todo o “resto” que tem que ser visto.

Elenco junto, a estrutura de: alimentação (desde restaurantes até mercados e padarias nas proximidades), hospitais ou centros de atendimentos médicos, bancos, caixas eletrônicos, centros comerciais, estruturas de lazer até vestuário, porque dependendo muito da localidade você vai ter que adequar o guarda roupa para o clima do local.

Lembrar aqui, de rever o plano de dados móveis do celular; do transporte, se existe algum tipo de cartão que ofereça desconto no transporte ou ainda que seja de utilização local, como os nossos bilhete único ou o Bom, respectivamente da cidade e do estado de São Paulo. Se tiver plano de saúde, se este atende somente a sua cidade natal ou se o atendimento ocorre em território nacional.

-Sexto passo: Turma

Veja, todos os calouros estão no mesmo barco. Todos recém chegados (ainda que alguns sejam da própria cidade), mas ainda assim, existe a insegurança e o desconhecimento.

A melhor proteção aqui é se enturmar. Com os calouros e com os veteranos. Os veteranos podem dar dicas de tudo… desde hospedagem, onde comer melhor e mais barato (importantíssimo para todos os estudantes), dos lugares para frequentar e onde tomar mais cuidado pelas cercanias.

Também se enturmar com as pessoas de convívio próximo. No pensionato, no mercadinho, na padaria. Não se engane… aqui é como acontece com qualquer turista. Está claro que você é forasteiro. Tem uma luz neon piscando na sua testa. E nada melhor do que se cercar de gente “conhecida” para uma proteção. E também para dicas que só os locais podem oferecer.

-Sétimo passo: Organização do tempo

Esse é um aprendizado único e particular. Só quem estará lá é quem conseguirá dimensionar isso.

Saber fatiar o tempo dentro das prioridades básicas e conseguir elaborar e estabelecer uma rotina, que não prejudique o estudo, mas que tenha condições factíveis de serem seguidas.

E daí para frente, só o tempo é que vai trazer mais experiências e oportunidades de melhor adequação.

                                                                 Boa sorte!!!!!!

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *