20 coisas que eu aprendi nos meus 50 anos

#crônicas

Esta semana faço 50 anos de idade…

Pois é…

Assustador não é?

Estou começando devagar o texto porque…tô pensando nisso devagar mesmo…

Ninguém me contou como é… o que acontece… o que a gente pensa…e como a gente muda

E quer saber?

ABSOLUTAMENTE NADA

Calma…

Não é isso… deixa eu explicar melhor…a gente simplesmente não se torna assim, da noite para o dia uma “senhora” de 50 anos.. assim como a gente não sente a virada do tempo em cada aniversário. Isso é ridículo. Bom, pelo menos para mim.

A gente vai percebendo as mudanças ao correr do tempo…

Tem gente que tem crise aos 20, aos 30 ou aos 40…não sei bem o que é isso… acho que estive sempre ocupada demais para pensar sobre crise de idade…

Agora resolvi escrever não porque esteja em crise… mas me peguei pensando nisso e porque agora tenho um brog…justamente uma coisa totalmente impensada há 10 anos atrás… nem tinha passado pela minha cabeça ter um bloguitcho….e que isso colocaria minha vida sob nova perspectiva …

Fiz o que é padrão para a grande maioria das pessoas…(pelo menos da minha época)… e veja: sou do século, não, do MILÊNIO passado! Estudei, fui para a Faculdade, trabalhei,casei, tive filhos… e me pego agora às portas da aposentadoria… tá… depende dos rumos que o governo der para isso na semana que vem.

E sabe o que é engraçado? Vivi coisas que na época ou eram atrasadas ou adiantadas para “a época”.

Hoje, o empoderamento feminino, que chegou antes tarde do que nunca, sinto desde sempre no meu núcleo familiar . Acho que na verdade o grande impecilho e preconceito que vivemos em casa foi sempre o de sermos mulheres e que estudar e trabalhar fora “não era para a gente”. Coisas de mente retrógrada e machista de antigamente plus o fato da nossa ascendência. O que foi bravamente combatido por minha mãe, a mulher mais forte que eu conheço na vida. Que fez questão das filhas estudarem e serem independentes. E saiu para trabalhar para poder nos dar educação. Para a vergonha da família do meu pai. Assim como todas as mães poderosas das minhas amigas que trabalharam fora, vencendo essas barreiras para darem condições de lutarmos por nosso direito de igualdade. Portanto, queridos… esse é um movimento de construção… e se as coisas estão um pouco melhores, ou se começamos a lutar por isso agora, apesar desta luta ser eterna, é por causa daquelas senhorinhas amáveis (ou bravas como a minha) que temos em casa e começaram a luta láaa atrás….

Lição 1: Escute e aprenda com os mais velhos. Aproveite o que for bom. Lute pelo que acha errado.

Lição 2:Ensine pelo exemplo.

Estudei Farmácia por pura influência familiar (meu pai tinha uma drogaria, que aliás fez o grande favor de vender assim que eu me formei)… mas também pelas matérias que achava que poderia ver e estudar por mais tempo: química e biologia. E ajudava na farmácia do meu pai desde pelo menos, os 8 anos de idade… são mais de 40 anos vendo farmácia na frente. Mas sabe o que eu queria ter feito, há 30 anos???  T.u.r.i.s.m.o. Minha mãe, visionária como sempre, disse que o Turismo seria uma boa opção de carreira e estaria bombando (lógico, as palavras não foram essas) daqui a 20 anos… mas a gente, sem dinheiro, eu tendo que trabalhar para pagar a faculdade, teria que optar por uma carreira onde conseguisse me manter e depois disso, correr atrás do meu sonho, como segunda opção. E quer saber? Ela estava certíssima.. Olha onde eu vim parar, depois desse tempo? Justamente fazendo o que eu queria. Portanto, você, com 18, 20 aninhos, desesperado com a faculdade (ou a escolha de uma) ou qualquer coisa que o valha, calma!!! De um jeito ou de outro, como diz o sábio filósofo em Jurassic Park, a vida encontra um jeito….:

Lição 3: Seja realista. Observe e avalie quais as suas condições para aquele seu plano ter sucesso ou não naquele momento.

Lição 4: Se não puder fazer o plano de imediato, parta para o plano B

Sabe porque eu disse que foi um grande favor meu pai ter vendido a farmácia? Porque eu tive que correr atrás. Porque eu tive que procurar me especializar e procurar um emprego para poder me sustentar. E fui prestando concursos. Daí que uma hora eu passei. E assim, completo 25 anos no mesmo lugar no ano que vem, em maio… servidora pública na Prefeitura de Guarulhos. No mesmo lugar bem entre aspas.Já rodei bastante lá dentro. Cansa às vezes? Completamente. Mas não reclamo. Foi o que deu a segurança e a estabilidade para o Ogro poder se aventurar mais, para poder deixar a Júlia quietinha em um lugar e poder se graduar. Foi a segurança que mesmo que ele perdesse o emprego, não morreríamos de fome. Foi a garantia do meu salário para eu mesma poder brincar com outras coisas, como um blog. Me dediquei de corpo e alma para o serviço. Vendi férias, assinei férias e fui trabalhar, criei coisas e mais coisas… fiz amigos mas muitos inimigos… trabalhei de folga, de final de semana, à noite, à distância. Saí do último lugar com muitas horas em haver e 4 férias vencidas. Mas… não me arrependo… ainda tenho um tempinho por lá e vou continuar com meu trabalho. Não pela instituição em si, mas pela responsabilidade que todo o trabalho requer. E pelas pessoas que dependem dele. E sempre digo… o que fica no final, é só o seu trabalho. Seu nome, suas conquistas, seus méritos, são pura vaidade.

Lição 5: Não espere as coisas caírem do céu.

Lição 6:Milagre não existe. Corra atrás do seu sonho.

Lição 7: Faça as coisas com responsabilidade. Trabalhe para isso. Ainda que não seja o emprego dos seus sonhos, pessoas dependem do que você está fazendo.

Lição 8: Ter um emprego fixo é bom. Te liberta da obrigação daquele plano mirabolante ter que dar certo para você pagar as suas contas

Casamos tarde.. eu estava com 30 e o João com 29.. Ano que vem vamos fazer 20 anos juntos. Amigos diziam que eu seria avó, não mãe…Ficamos grávidos muito rápido… Com 3 meses de casados, já me peguei grávida… Foi desesperador… eu tinha um cargo de chefia lá na Prefeitura…me sentia (e trabalhava como) “A” executiva. Sair dos papéis, de reuniões, de ordens, de salas de escritório para trocar fralda, dar de mamar, não dormir durante 8 meses, as dores pós parto, foram mudanças dramáticas. A maternidade é linda, mas é o trabalho mais duro que existe… não tem férias, final de semana e feriado. A família nasceu a partir daí… na verdade, estamos descobrindo o que é ser um casal só agora, esse ano…depois que a Júlia saiu de casa para a faculdade fora do estado. Aqui é um monte de coisas junto.. porque quando você namora é uma coisa e depois que casa é outra… e depois que tem filhos… outra completamente…Como o Universo fala… Aprendemos um com outro tantas, tantas coisas….

Lição 9: Case tarde. Engravide tarde. Estude, trabalhe, construa-se e descubra-se primeiro. Viaje só muitas vezes. Não jogue essa carga para seu parceiro. Você não encontra a felicidade na outra metade se você não estiver inteiro primeiro.

Lição 10: Passe a conjugar o verbo NÓS. O EU não é mais prioridade.

Lição 11: Tenha um planejamento financeiro. Se você não faz, é urgente quando seu filho chegar. Seja controlado e metódico. Faça disso um hábito. “Viver o momento” não é opção quando se tem família.

Lição 12: Case ou tenha relacionamentos com alguém que seja seu amigo. Façam planos juntos, mas também tenha planos e metas individuais. Nunca… NUNCA desfaça do sonho do seu parceiro.  Sonhem junto. E incentive. Cresçam juntos! Brinquem e briguem muito!!! Palavras não ditas viram mágoas.

Lição 13: Crie o seu filho para o mundo. MESMO!!!! Ensine desde educação financeira (imprescindível), até saber cozinhar, lavar e cuidar da casa. E de si mesmo. Quando ele partir, vai doer, mas você vai ter segurança que a cria vai se virar sozinha… A saudade é outro departamento.

Lição 14: Seja você a mãe/pai do seu filho. Não delegue esta função para a escola, avós, babás ou empregadas. Seja você o herói/a heroína do seu filho.

Lição 15: Essa eu ouvi de uma amiga, assim que tivemos filho: Trate seu filho como a prioridade. Parece óbvio, mas muita gente demora para cair a ficha. Se o seu filho estiver bem, você ficará bem.

Lição 16: Passeiem, viajem, saiam ou mesmo fiquem em casa, mas bem, em família. O seu núcleo. Sejam auto-suficientes. Guardem os “seus” momentos e os “seus” jeitos. Não dependam de terceiros (família ou amigos) para se sentirem completos.

Lição 17: Também estejam com outras pessoas, apesar de parecer contraditório do que eu estou falando na dica de cima. É importante dar uma arejada, um frescor que novos amigos, lugares e situações trazem. Mas não dependa somente disso para vocês estarem bem e entre vocês.

Pois é… na minha bio, agora além de colocar que sou farmacêutica, coloco que sou blogueira. A.D.O.R.O esse dualidade. Acho tão paralisante “ser” uma coisa só…Acho difícil “ser” uma coisa só…. Se bem que todos somos mais que um dentro da gente. Toda mulher é esposa, mãe, filha, trabalhadora, diarista, cozinheira, babá, economista, coaching, personal shopper e chofer… ah… esse último ofício….”-chama a Uber mãe”…A Júlia dizia, quando pequena, que antes de eu ser farmacêutica eu era artista… (por causa dos quadros que eu pintei pendurados aqui em casa). Como eu gostava dessa afirmação!!!!

Mas credito isso ao fato de eu ser sagitariana com ascendente em aquário…

O blog vai para 7 anos…ainda considero em construção…sempre… pergunta para algum blogueiro se o filhote já está finalizado. Nunca!!!

E esta nova vida dupla me deu tantas novidades…. conheci muita, mas muita gente legal. E bonita. E descolada. Porque gente que viaja tanto a ponto de escrever sobre viagem não tem como ser chata e retrógrada né.

Me fez estudar coisas de língua alienígena….Wordpress, SEO, DNS e ainda estou  aprendendo o alfabeto… e apanhando feio!!! Para quem começou a mexer em computador mesmo nos idos de 2002~03, até que foi um caminhar. A gente do milênio passado não nasceu com o chip implantado na cabeça, como essa nova geração.

Me fez entrar para a ABBV- Associação Brasileira de Blogs de Viagem  e trabalhar por ela. Mais trabalho, mais conhecimento e mais interações.

50 anos… dito isso há 20, 30 anos parecia looonge… e já chegou… que venham os próximos!!!

Lição 18: Mantenha-se com a mente aberta e funcionante. Em qualquer época… em qualquer idade… leia muito (tá bem, eu mesma não leio com a frequência que gostaria), veja filmes, ouça música. Grandes nomes começaram a vida depois dos 50 , o fundador do Mc’Donalds, ou mesmo depois de 60, como o Roberto Marinho, quando fundou a Rede Globo.

Lição 19: Tenha um hobby… qualquer que seja. E invista nisso. Principalmente depois que você fizer 40 anos. Se você não tem, ou não sabe, corra contra o tempo. Isso vai salvar você da clássica aposentadoria pijama e chinelo.

Lição 20: Esqueça toda essa bobagem que eu disse. Afinal, essa é a minha verdade e a minha experiência. Vá encontrar a sua!!! Que com certeza vai ser diferente do que eu vivi…

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

3 Comments on “20 coisas que eu aprendi nos meus 50 anos

  1. Amei o texto, as reflexões e as lições por trás! E concordo com tudo, tambem sou dessas que faz (re)avaliações da vida aos aniversários. Esse ano, acho, foi particularmente transformador e turbulento em vários aspectos, e concordo no que você diz: o que fica é nosso trabalho. E sim, hobby (como escrever de viagens) é o que me salvou também, de alguma forma, e que me trouxe pessoas especiaia como você!
    Um feliz aniversário, de novo, e mais transformações para a gente!
    Bjos,
    Cla

    • Oi Clarissa, minha linda!!
      Obrigada pela leitura e pelo comentário!!!
      Ainda tenho que fazer um post da retrospectiva desse ano porque passou um furacão aqui em casa também!!
      Me lembrei de um voto de aniversário da igualmente querida Sut-Mie Guibert, no ano passado, onde ela desejava novos horizontes. Isso foi inspirador, e à partir daí, passei a desejar isso para todos!! Como é libertador a gente mudar, se transformar e se reinventar!!
      E você foi uma grande e querida companheira em nossa breve jornada juntas!!
      Sim!! Que venham novas ondas de transformações!
      Grande beijo!!!
      Marcia

  2. Pingback: Teatro Municipal de São Paulo - Os caminhantes

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *