Núcleo Cabuçu

       Este é mais um Núcleo do Parque Estadual da Serra da Cantareira, o mais novo, foi aberto em 2008 e abrange aproximadamente 1/3 da extensão do Parque todo. Seu nome vem da referência a grande ocorrência de uma espécie de árvore nativa, chamada Cabuçu, que em tupi significa “caa” árvore e “ussu” grande.

      O parque abriga ainda a Barragem Cabuçu, construída em 1908, que abastece parte da população de Guarulhos, onde fica a entrada do Parque.

É uma opção boa e barata para ver o verde em São Paulo, com direito até a banho de cachoeira e uma boa trilha para desenferrujar.

20140824_135700

A portaria do bem cuidado parque

Retirando daqui 

“Histórico

Cantareira foi o nome dado à Serra pelos tropeiros que faziam o comércio entre São Paulo e as outras regiões do país, nos Séculos XVI e XVII, devido à grande quantidade de nascentes e córregos encontrados na região.

Era costume, na época, armazenar água em jarros de barro, chamados cântaros, e os apoios onde eram guardados chamavam-se Cantareira. Possui uma área de 7.916,52 hectares, que abrangem os municípios de São Paulo, Guarulhos, Mairiporã e Caieiras.

Sua maior porção está localizada na Zona Norte de São Paulo, constituindo um importante remanescente da Mata Atlântica na metrópole, e de extrema relevância ecológica para o Estado de São Paulo. Foi declarado parte da Reserva da Biosfera do Cinturão Verde da cidade de São Paulo pela UNESCO em 1994.”…

20160417_155145

Área de descanso, perto do Centro de Visitantes

Amplitude de Temperaturas

Entre 16 ºC a 26 ºC

Principais Ecossistemas

Mata Atlântica – Floresta Ombrófila Densa Montana (predominante)

Principais espécies de fauna e flora

Bugio, Preguiça, Serelepe, Quati, Jararaca, Suçuarana, Macaco Prego, Macaco Sauá. Samambaiaçu, Figueira, Jacarandá, Embaúba, Tapiá, Palmito, Cedro-rosa

20160417_154830

O Centro de Visitantes e o Museu

Informações para a sua visita

Como Chegar

-Acesso pela Rod. Fernão Dias até a Casa de David (Km 82 sentido SP-BH), seguir pela Estrada das Três Cruzes até a Av. Pedro de Souza Lopes (antiga Estrada do Cabuçu), nº 7903;

-Pelo centro de Guarulhos: seguir as indicações para o bairro do Taboão, na Praça 08 de dezembro e na praça, existem placas indicativas para o Parque. Está identificado como Reserva Cabuçu.

IMG_4973

Área do Playground

Funcionamento

Das 8:00 às 17:00 h sábados, domingos e feriados.

Para a trilha da cachoeira o acesso é permitido somente até às 14:00 h,

Em dias de chuva, o parque não funciona;

Ingresso

Valor geral: R$ 13,00

Isentos de pagamento: Menores de 12 e maiores de 60 anos de idade; Pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida; Professores da rede pública estadual e das redes municipais de ensino, legalmente identificados; Escolas públicas de primeiro e segundo graus e ensino técnico em visita com finalidade educativa, com autorização prévia da Unidade; Frequentadores rotineiros e moradores do entorno, mediante cadastro autorizado pelo responsável da Unidade;

Cobrança de meia-entrada: Estudantes legalmente identificados;

IMG_4976

Área de piquenique na entrada, perto do estacionamento

Estrutura

        Estacionamento gratuito, com vagas limitadas, sanitários limpos e bem cuidados. Um Centro de Visitantes com um pequeno museu, com maquete do Parque Estadual, playground e quiosques para pic nic.

        Não existem lanchonetes ou restaurantes. Leve água e um lanche e aproveite as bem conservadas áreas para pic nic.

20160417_155053

A outra área de piquenique, atrás do Museu

Não é Permitido

        Conforme consta no plano de manejo do Parque não é permitida: “– A circulação ou uso de brinquedos, independente do tamanho, como quadriciclos, carrinhos elétricos, carrinhos de controle remoto, minimotos, aeromodelos, bicicletas, velocípedes, patinetes, patins, skates, rolimãs, bolas, balões de gás, pipas e outros não listados, mas que ofereçam riscos ao próprio usuário ou a terceiros na atividade de trilhas; A circulação ou uso de instrumentos sonoros ou musicais, aparelhos de gravação de sons para atração de animais, aparelhos de som ou equipamentos semelhantes incompatíveis com os objetivos de contemplação dos atributos naturais das trilhas, salvo exceção dos eventos programados pelo PEC; A circulação de quaisquer tipos de animais domésticos que não seja de interesse do programa de pesquisa;

20160417_141005

Trilhas   

Trilha do Tapiti

        Com 250 metros, é boa para educação ambiental infantil e é a menor do parque.

        Durante o seu percurso, pode ser observada árvores de grande porte como a araucária, o cabuçu e o cambuci.

        É uma trilha bem pequena, com acesso antes do começo da Trilha da Jaguatirica.

DSC07725

Trilha do Sagui

        Com 730 metros, além de grandes árvores como a figueira branca, jequitibás e cabuçus, é possível ver obras históricas, como um antigo forno, utilizado na fabricação de carvão no século XIX.

        Fomos três vezes ao Parque e sempre acabamos fazendo a Trilha da Cachoeira. Esta trilha segue depois do acesso para a Trilha da Cachoeira. Não vi plaquinha indicativa nesta última visita (abril de 2016).

DSC07727

Trilha da Jaguatirica

        Com 1.000 metros, seu principal atrativo é a alternância entre o clima seco nos trechos altos e úmido nas partes baixas. Árvores como o mandioqueiro, guatambu e cedro rosa podem ser avistados.

        Na primeira vez que visitamos o Parque, começamos por esta trilha, que é tranquila, sombreada, com um pouco de subidas e descidas e no final dela continuamos o percurso para a Trilha da Cachoeira.

20160417_135357

Trilha da Cachoeira

        Com 5.200 metros, a trilha possui alta declividade. Observamos árvores imponentes, cursos d’água com pontes e no final, a cachoeira.

        Antes de chegar ao acesso da trilha, passe pelo mirante e tenha uma bela vista da represa do Cabuçu. Quando visitamos a primeira e segunda vez, estávamos bem no meio da crise hídrica e a paisagem era desoladora. A represa estava bem seca. Nesta última vez, estava bem cheia. Foi uma visão bem diferente. E um alento.

20140824_134200

A vista da Barragem, com a represa com pouca água

        Confesso que pastamos nessa última visita. As caminhadas (trilhas) não estão tão constantes quanto gostaríamos e chegamos bem cansados desta trilha. Sinal de falta de condicionamento físico…. São 5.200 metros onde o painel indicativo sugere que seja feito em 3 h, nós levamos 2h15, com parada para banho e as minhas paradas nas subidas, o meu fraco.

IMG_4992

Pontes de madeira e área sombreada na trilha

        A trilha além de pesada, é bem bonita. É toda sombreada, o que alivia bastante e como o volume de águas está maior, aqui e ali passamos por regatos com água transparente, mas não ousamos beber, pois não sabíamos se era potável ou não.

        Durante todo o percurso, plaquinhas indicativas indicam as espécies, inclusive do famoso cabuçu.

        Basicamente o percurso de ida é com muita subida, amenizando na volta, com as descidas, mas o percurso se alterna bastante entre subidas e descidas. Prepare os joelhos.

DSC07722

        Chegamos na cachoeira e estava vazia, desta vez com bastante água. Foi possível até tomar um banho e nos refrescarmos.

        Existe monitoria nos pontos principais, então até às 14:00 h monitores estão na entrada da trilha e depois, quando estávamos voltando, encontramos os monitores indo provavelmente para o final da trilha para verificar se ainda havia alguém pela cachoeira.

20160417_153218

A represa, agora cheia

Barragem

        A barragem do Cabuçu, finalizada em 1908, é considerada a primeira obra de concreto armado do Brasil. O cimento usado na construção foi trazido de navio da Inglaterra em barris de madeira, em seguida foi transportado de trem até São Paulo e posteriormente ao Cabuçu em carros de bois e lombos de burros.

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

3 Comments on “Núcleo Cabuçu

    • Oi Dan,
      Obrigada pela leitura e pelo comentário!
      Nós já fomos umas duas vezes no Núcleo Engordador, mas faz muito, muito tempo!
      É muito legal mesmo!
      Abraços!
      Marcia

  1. Pingback: Zona Cerealista de São Paulo

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *