Parque Estadual do Guartelá

      Conhecido por abrigar o Canyon do Rio Iapó, mais conhecido como o Canyon Guartelá, este Parque fica na cidade de Tibagi, na região dos Campos Gerais do Paraná.

        Foi criado em 1992, para preservar os ecossistemas típicos como os canyons, cachoeiras, o patrimônio espeleológico, arqueológico e pré-histórico, como as pinturas rupestres, de fontes, nascentes e espécies de fauna e flora nativas; além de ordenar o crescente fluxo turístico à área de 798 hectares.

        Espécies como o logo-guará, a jaguatirica, o veado, o gavião-pombo e a capivara podem ser observadas na área do Parque.

        Nós havíamos visitado o Parque em 2005, a Júlia estava com 6 anos de idade e agora, 11 anos depois voltamos para fazer o passeio completo até a Ponte de Pedra que não conseguimos fazer da primeira vez.   

IMG_6560

Como chegar:

        O Parque fica a 18 km da sede do município de Tibagi e 42 km do município de Castro.

       Através da Rodovia PR – 340 no km 42, trecho que liga as cidades de Castro e Tibagi.

      Existem duas linhas de ônibus que passam em frente ao Parque: Viação Iapó, partindo de Ponta Grossa/PR e Viação Princesa do Norte partindo de Curitiba/PR.

        O aeroporto mais próximo é o de Curitiba.

IMG_6567

Funcionamento:

-De quarta a domingo e feriados nacionais, das 8:00 às 16:30 h

-Não é cobrado taxa de entrada

Outras informações:

– O parque não conta com restaurantes e lanchonetes, portanto se a intenção é ficar um pouco mais de tempo no local, leve um lanche e água

– Usar calçados apropriados para caminhada, protetor solar, repelente e boné

-Duração da trilha básica: aproximadamente 3:00 h ida e volta.

-Duração da trilha das pinturas rupestres: aproximadamente 3:30 ida e volta. Necessário contratar um condutor local.

scan0007

11 anos antes

Centro de Visitantes

        Todos que vão fazer a trilha devem preencher seu cadastro e são passadas algumas orientações sobre a trilha (autoguiada) e o tempo de percurso.

        Há estacionamento gratuito, sanitários e água potável.

scan0009

11 anos antes

Trilha Básica

       Auto-guiada, com aproximadamente 5.000 m de extensão (ida e volta), grau de dificuldade médio, com acesso aos panelões do Arroio Pedregulho (banho permitido), ao mirante do canyon do Rio Iapó, à cachoeira Ponte de Pedra. Tempo previsto para o percurso: 3 horas.

DSC07532

11 anos depois

Nossa visita

        Depois da nossa descida de rafting pelo Rio Tibagi passamos por aqui para fazer a trilha básica.

        O Parque estava relativamente cheio, em pleno domingão e feriado de Carnaval. Estacionamos e fomos ao Centro de Visitantes preencher o cadastro. Abastecemos nossos cantis com água geladinha e começamos a descer.

        O começo é de trilha ampla, depois começa o calçamento de pedra. Aquele sol de rachar, sem nenhuma sombra, só pensava na subida depois.

        Depois da descida, tem uma parte mais sombreada, dá para dar uma paradinha e utilizar o sanitário. Essa área você logo vai reconhecer, existe uma casinha de madeira.

IMG_6550

        Logo depois dessa parte, a trilha vai se estreitando e começa a parte da trilha toda feita em plataformas de madeira. É muito bem feito!!. Em todos os pontos de visita e maior concentração de visitantes, encontramos guarda-parques, assim como transitando por entre as trilhas. Mais um exemplo de como o turismo pode ser organizado se bem explorado.

        Primeiro você chega na parte dos panelões do Arroio Pedregulho. Estava bem cheio, em comparação com a primeira vez que visitamos, a Júlia chamou este lugar de “banho de relaxo”, na época, pois parece realmente uma banheira de hidromassagem. E também lembrou do horror que sentiu na época pelo medo de ver o pai ser engolido por aquele buraco com água fervendo. Deixamos o banho para depois de visitar o mirante e a cachoeira Ponte de Pedra e dar uma refrescada antes da subida.

DSC07524

A Cachoeira Ponte de Pedra

        Andamos direto até a cachoeira Ponte de Pedra. A trilha se alterna aqui com partes andando sobre as pedras, com sinalizações nas pedras. Não é permitido o banho na cachoeira. Existem monitores para se assegurar da não ultrapassagem desde o mirante da cachoeira.

        Hora de dar uma paradinha sobre as pedras e tirar várias fotos e comer um lanchinho básico.

        Fazendo o caminho de volta, passamos pelo mirante do Rio Iapó para nova observação e outra foto comparativa de 10 anos atrás.

DSC07529

O Mirante do Rio Iapó

        Na volta, banho de relaxo nos panelões. Apesar de cheio, dá para dar uma boa refrescada e o pessoal é bem tranquilo. Lugar cheio de família, com crianças brincando e também com guarda-parques monitorando.

DSC07540

11 anos depois

        A volta, naquela subida pesada, naquele sol forte me castigou um pouco. Me senti “a velha”, porque o carro (uma Kombi) desce com o pessoal mais idoso ou com algum problema e eles voltam assim, de carro. E o motorista parou do meu lado, muito solícito perguntando se eu queria subir com eles. E eu arfando respondi que não, iria ficar longe do meu grupo (João e Júlia). Ele continuou a subida e eu me arrependi no minuto seguinte. Fiquei imaginando que cara ou que aparência eu deveria estar para ele me perguntar isso e ainda por cima, minha desculpa (e o meu orgulho) não adiantou porcaria nenhuma, porque os dois dispararam na minha frente e eu voltei a vê-los novamente só quase no Centro de Visitantes.


Planeje sua viagem com a gente

Reserve sua hospedagem no Booking

Reserve seu vôo na Mundi

Reserve seu seguro viagem na Real Seguro Viagem

Alugue seu carro com a Rental Cars


        Abastecemos nossos cantis de novo no Centro de Visitantes, descansamos um pouco e voltamos para Castrolanda, na nossa Pousada .

IMG_6548

Pousada Oosterhuis, em Castrolanda, Castro- PR

        Recompostos, seguimos a indicação do pessoal e fomos jantar em Castro, no Jaffar , restaurante chiquetoso árabe no alto do Morro do Cristo.

DSC07560

DSC07557

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

3 Comments on “Parque Estadual do Guartelá

  1. Pingback: Campos Gerais do Paraná - Os caminhantes

  2. Pingback: Sugestões de destinos para fazer de carro - Os caminhantes

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *