E agora José (ops… João!!!)

E é véspera da sua tão sonhada viagem, aquela que você acalentou durante 30 anos e perdeu horas e horas planejando, roteirizando e principalmente pagando e chega a notícia bomba, que milhares de brasileiros estão recebendo nos últimos meses:

“-Fui despedido”….

Aconteceu com a gente, hoje, 16 de agosto, completando 2 meses exatos desde que o João me ligou com a notícia…

Este post não tem interesse absolutamente nenhum para quem está procurando um roteiro novo e pode não fazer parte do contexto que aborda o blog mas resolvi escrever porque o indivíduo família/blog há muito tempo já se misturou e é mais um post da série desabafo. Fique a vontade djá para parar de ler e não ouvir lamúrias.

Também me remeti a algumas discussões que já vi sobre se vale a pena fazer o filho perder aula para viajar e tracei um paralelo entre as duas situações, apesar de serem situações diferentes.

Não preciso dizer do misto de susto, medo e preocupação que ronda a nossa cabeça desde o primeiro minuto da notícia e a cada dia vai diluindo…#sóquenão, é o contrário, cada dia aumenta aquela sensação da incerteza e do inesperado rondando as suas idéias… e os seus projetos futuros e os seus sonhos. E você lembra do cunhado que ficou 2 anos sem conseguir trabalho, do amigo, do vizinho, e por aí vai.

DSC06253

Brecon Canal em Gilwern. Olha o que agente ia deixar de ver…

Ah!! Mas vocês são bem de vida, viajam muito e têm dinheiro para gastar a vontade!!

Quem, daqueles como nós que têm como prioridade as viagens já não ouviu isso… não vou discorrer aqui o que toooodo mundo já escreveu e falou e feicibuqueou sobre prioridades e o que faz para economizar.

Nós não somos diferentes. Tudo é bastante modesto e contido para podermos viajar. Desde compras rotineiras de roupas e sapatos para nossos momentos mulherzinha, restaurantes bacanudos que não acontecem, até a lida na cozinha/tanque diária e a faxina nossa de toda semana, sem direito a ajudante para termos estes momentos de escape de vez em quando. Não, absolutamente não tenho a menor vergonha em dizer isso.

Presentes e lembrancinhas de aniversário, dia dos namorados, dias das mães, dos pais, natal, tudo vira viagem aqui em casa.

IMG_20150712_130418

O Tor, em Glastonbury, a ilha de Avalon, meu sonho acalentado por 30 anos!!!

A primeira e imediata decisão certa é a de sair cancelando tudo, afinal, como vamos pagar a fatura do cartão pós viagem com o meu módico salário de funcionária pública municipal (não estou reclamando, é o modelo de estrutura que se adequou ao nosso núcleo até então), não é mesmo?

Mas o lado racional e colocando tudo na ponta do lápis e claro, o bichinho viajante já se suicidando, foi fácil ver que iríamos perder mais dinheiro com as multas que teríamos que pagar se cancelássemos tudo.

Já havíamos pago passagens (aéreas e terrestres), hospedagens, serviços de guia, enfim, praticamente 80% da viagem já tinha sido agendada (e paga) e resolvemos encarar assim mesmo, por nossa conta e risco.

E como foi que a gente se virou nessa época de super desvalorização do real, indo para o lugar onde a nossa moeda simplesmente valia 1/5 do nosso valor?

Usando a máxima da muquiranice, ora!

Procuramos indicações de lugares mais baratos para comer (compramos o Guia da Silvia Oliveira, do Matraqueando de Paris, por exemplo), de passeios grátis ou que tivessem desconto (como o Paris Museum Pass, que deixava a Júlia entrar de graça nas atrações, com nós dois pagando, abusamos das comidas semi prontas e congeladas para fazer em casa a noite e  durante o dia o binômio sanduíche/saladinhas nos satisfez, andamos de transporte coletivo o tempo todo, andamos a pé um monte, até formar bolha sobre bolhas nos pés, compras foram reduzidas a praticamente zero, sendo reduzidas as lembrancinhas familiares e amigos a saquinhos de chá e chaveiros.

E agora, de volta à realidade, o negócio é sair atrás do prejuízo, mas garanto que as  experiências e lembranças que tivemos não nos faz arrepender da nossa decisão!

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

4 Comments on “E agora José (ops… João!!!)

  1. Poxa, Marcia! Não curti o que aconteceu com vcs antes da viagem e espero de coração que isso se resolva em breve. Apesar dos pesares, espero que a viagem tenha sido proveitosa e revelado o lado bom desse acontecido. Porque tudo tem um lado bom, né? Abs

    • Oi Tiago!!
      Obrigada pela torcida, sei que é de coração mesmo, e esta torcida toda tem sido um alento, sério!
      Aproveitamos muito a viagem, tentamos não pensar nisso e tenho a certeza que no final terá sido (ainda está sendo) uma grande lição e um se reinventar, para todos nós aqui em casa…
      Obrigada!
      Um grande abraço!!

  2. Márcia, ao contrário de “ouvir” lamúrias, fico feliz por você nos deixar participar de suas vidas e, é claro, de saber que voces tomaram a decisão certa!
    Boa sorte! Fico torcendo para que tudo se resolva logo, pois adoro as viagens de vocês!! Um grande beijo

    • Oi Eliana!!
      Obrigada pelo comentário e pela força!!
      Pareceu meio forçação de barra, mas queria mostrar que nós não somos só glamour de viagens e que somos sujeitos a todas as coisas que acontecem com qualquer ser humano normal. E que não é demérito isto acontecer, ainda mais nos dias de crise em que vivemos.
      Obrigada novamente, e vamos nos esforçar para que volte tudo ao normal o quanto antes, ainda que não nos moldes como estávamos acostumados de repente..
      Beijos!!!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *