Trilha com crianças- O que pensamos

       Escrevi há muito tempo, um post sobre Trilha com Crianças, com dicas básicas e essenciais para quem estava começando. 

          Se você veio procurar uma coisa mais “técnica”, vou deixar para os posts que se seguirão, esse vai para a categoria e página no blog sobre “o que pensamos”, e define na verdade “ o que somos”.

            A Júlia, a essa altura do expediente, já não é mais criança, é moça, posso considerar uma pré-vestibulanda, o ano que vem já parte para o vestibular de verdade, acabaram os simulados e daqui a pouquinho, quando entrar na faculdade (seja lá do que for,espero que ela se decida até o ano que vem)  já estará trilhando seu caminho. Dá até um nó na garganta de escrever isso…snif…

            Estou colocando este adendo familiar e chato, só para entenderem que:

1-o tempo passa….

2-ela trilhou conosco por 16 anos e sempre caminhando com a gente

3-nós estamos aos poucos, perdendo o vigor e ela já nos ultrapassa nas trilhas tranquilamente;

4-daqui a um tempinho, passaremos da fase de escrever sobre caminhar com crianças para caminhar na terceira idade….

Cambará do Sul 2002

            Achei melhor começar a fazer um resgate do que foi importante no nosso começo de trilhas, de um  casal jovem para uma família com criança antes de passar para a fase 4…

 

          Mas vamos lá: você quer começar a colocar o seu filho para trilhar, mas… o que você está fazendo para prepara-lo?

            Da série: absurdos e sensacionalismo barato, como dizemos em casa, vamos para a sessão chibatadas:

-Você vai pelo menos até o parquinho da pracinha do bairro com seu filho? Ele pode brincar na terra, se sujar, ficar descalço, enfiar o pé na lama e tomar um bom banho de chuva de vez em quando, sem ter surtos histéricos porque o sapato ficou cheio de barro?

Não estou brincando, vi essa cena numa trilha uma vez e não houve quem consolasse o rapazinho que não havia problema nenhum, que depois era só lavar o sapato. Resultado, o menino de 5 anos foi carregado pelo resto da trilha.

Resumindo um pouco: se o máximo da convivência e interação com o seu filho é ficar assistindo televisão, quando ele ver uma borboleta vai gritar e não vai dar para convencer que não é um monstro.

Dr. Pedrinho 2003

-Seu filho só come se estiver sentado em uma mesa com alvas toalhas de mesa branca de linho e talheres com bichinhos  e se a comida estiver na temperatura correta?

            Pic-nic nem pensar, comer comida fria, um nojo?

Improviso, não dá para pular uma refeição ou deixar de seguir de repente o cardápio prescrito pela nutricionista neste dia?

Também devo dizer que vai ser um pouco complicado…

Gonçalves- MG- 2001

-Seu filho é a sua prioridade ou primeiro o resto e depois ele?

  Como assim?

  De novo, vou exemplificar: numa trilha, o pai dava assistência para todo mundo, dando a mão para as subidas mais íngremes, ou algum obstáculo maior.

Na hora de ajudar o seu próprio filho, vinha um: “Vamos!!!!” Sobe que eu não vou te ajudar! Você já está grande demais para ficar resmungando!!!

A criança era pequena, não conseguia subir os degraus da semi escada feita de barro.

Ficamos com dó e o João resolveu carregar a criança naquela nossa fatídica cadeirinha.

Os pais ficaram namorandinho láaa no final da trilha, entrei para poder ajudar o João, mais outros amigos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

-Quais os valores que vocês valorizam em casa?

É a camiseta da marca X escrito em letras garrafais, o tênis super blaster que os amigos da escola estão usando?

É ser descolado e frequentar o hipster do momento, aquele restaurante que não sei quem vai…

Concorda comigo que porque cargas d’água a criança vai se meter no meio do mato, onde, como dizia um guia, tem sofrimento e agonia de todo tipo para criança: é calor, é bicho, é andar até não poder mais…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Chapada Diamantina-2008 As representação da toca de um garimpeiro

-Você viaja para você ou para “os outros”?

            Vou explicar melhor… você vai para os lugares que você quer porque de uma forma ou de outra são caros para você e sua família ou porque o grupo que frequenta acha bacana e “cool” ir para tal lugar. Para virar uma competição intra grupo, tipo, eu já fui para tal lugar, nossa vocês ainda não??

Já, já vi não uma, inúmeras, infelizmente….

            Opa… será que isso não pode se estender para como você está levando a sua vida….

(1)

Cambará do Sul-2002

 

-Você ainda acha que os hotéis, funcionários e toda a trupe de turismo deva ser avaliado como um prestador de serviço somente?

            Lógico que você tem que avaliar o serviço, ora, afinal você pagou por isso, mas… será que é só isso mesmo?

            As melhores lembranças, mais calorosas, mais saudosas, são aqueles lugares no meio do nada, onde fomos recepcionados no calor do fogão a lenha, com banho de serpentina, comendo um honesto arroz e feijão do que em hotéis impessoais, lindos, mas robóticos.

 

           Tá legal, foi pesado, para variar, mas já avisei lá em cima que era sensacionalista, mas juro, todos os exemplos são reais, vivenciamos isso e não preciso dizer que depois dessas experiências horrorosas a família não foi mais convidada a viajar com a gente…

 

          Ainda não é uma prática muito comum, e penso que o brasileiro agora começou com a mentalidade de levar as crianças para um contato maior com a Natureza. E é um contrasenso, pois temos muitos, mas muitos lugares para conhecer, não é à toa que os estrangeiros ficarm loucos quando vêm para cá.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Ao contrário, vamos criando as crianças para serem mais consumistas e aprender a fazer compras nos Outlets em Orlando. Já falei, não que não tenhamos feito isso, mas isso agora, com a Julia adolescente, mas mesmo assim, ela ainda prefere por exemplo, se enfiar no mato com a gente no aniversário de 15 anos do que fazer uma festa badalada.

 

Eu tenho certeza que esse tipo de vivência vai ficar para sempre como lembrança na memória dos nossos filhos, muito mais que uma mega festa badalada ou o último tipo de celular que pudermos comprar.

 

Importante dizer  que não é porque trilhamos com crianças nos consideramos seres superiores  inatingíveis e diferentes nem tampouco menores ou inferiores daqueles que optam por viagens glamourosas e chiques e consumistas. Dizer quem é melhor ou pior, cai na mesma cova rasa do preconceito e discriminação que nós, viajantes, deveríamos estar nos libertando.

 

          É apenas uma questão de gosto. Só isso.

 

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

11 Comments on “Trilha com crianças- O que pensamos

  1. Muito bom texto !! Nada contra hoteis de luxo ou viagens consumistas, até porque já viajamos assim, mas gostamos mesmo é de mato, camping, céu estrelado !! Tudo de bom !!

    • Olá Maria Inês!
      Obrigada pela leitura e comentário.
      Nós também já cometemos o pecado do consumo, já fomos para Disney, nos esbaldamos na Ross Dress for Less, nos Outlets de Orlando, enfim, também já fomos picados pelo bichinho do consumo.
      Mas ainda somos mais de mato e fizemos isso com a Júlia adolescente, porque ela pode ser rebelde, diferente das outras, mas ainda assim, gosta também de um luxo e umas coisinhas diferentes de vez em quando.
      Beijos!!
      Marcia

    • Oi Éder!
      Obrigada pela leitura e comentário.
      Lembrei sim de você e mais uns amigos que têm o mesmo gosto e estilo de vida.
      E principalmente, porque foi um desabafo para um questionamento que tivemos recentemente, e nada melhor que soltar a angústia escrevendo…rsrs…
      Beijos!!
      Marcia

  2. Pingback: Trilha com crianças- Dicas básicas | Os caminhantes

  3. Pingback: Trilhas com crianças-Dicas de transporte e guias | Os caminhantes

  4. Amei achar o blog de vocês. Aqui a primeira trilha foi com um mês de vida. As primeiras foram bem curtas e aos poucos vamos aumentando, mas sempre indo e voltando no mesmo dia. As vezes fico pensando se meu filho, hoje com 18 meses, quando for adolescente vai nos odiar por não deixá-lo em paz em casa, rs. Por isso foi ótimo ler que mesmo adolescente a filha de vocês ainda gosta das viagens em família.
    Abraços

    • Olá Amanda!
      Obrigada pela leitura e pelo comentário!
      Sempre nos disseram que éramos loucos de levar a Júlia com a gente nessas trilhas e é o que eu falei, hoje, ela prefere viajar conosco que viajar com amigos.
      Pode ser que isso mude, mas ela já tem o gosto moldado para essas coisas. E depois, Amanda, o tempo passa tão rápido!! Daqui há um ano a Júlia está indo para a Faculdade, aí, o tempo de podermos viajar junto vai diminuir. Aproveite muuuito viajar com seu filho!

      Abraços!
      Marcia

  5. Pingback: Trilhas com Crianças-Alimentação e hospedagem | Os caminhantes

  6. Muito interessante essa matéria sobre trilhas com crianças. Sempre pensei que não era uma boa levar os pequenos nesse tipo de viagem, mas vale a pena mesmo ! ótimas dicas

    • Olá Eliane!

      Muito obrigada pela leitura e pelo comentário!
      Somos bem suspeitos, criamos nossa filha desde criança nas trilhas e hoje ela já é uma moça.
      Acredito inclusive que a própria profissão que ela escolheu foi norteada por essas experiências.

      Um grande abraço!
      Marcia

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *