Venda Nova do Imigrante

Sítio Lorenção

Sítio Lorenção

       No nosso planejamento de viagem, um dos pontos obrigatórios seria a Pedra Azul, mas estava fazendo a maior confusão, pois acabava achando informações sobre a atração tanto em Domingos Martins como em Venda Nova do Imigrante. Foi então com o post de: Venda Nova do Imigrante do Tiago Reis e seus esclarecimentos, que me vi “obrigada” a incluir no roteiro.

            Também achava que as pousadas ficavam em Domingos Martins, as mais bonitinhas, bem românticas, tipo “Pousada Lua de Mel”.

             E aqui segue a explicação detalhada do Tiago:

 “Oi, Marcia! Que prazer tê-la aqui no Rotas! Vamos ver se eu te ajudo.

Quando você se refere às Pousadas de “Domingos Martins” você tá falando, na verdade, em Pedra Azul, não? Deixa eu explicar.

É que o Parque e a vila de Pedra Azul pertencem ao município de Domingos Martins, mas ficam um pouco distante da sede. Então, é bem provável que você esteja se referindo às pousadas de Pedra Azul que, sim, devem estar com preços mais salgados por causa da alta temporada. Minhas opções econômicas preferidas nessa região são a Recanto da Pedra e a Tre Fiori. Você tentou nelas?
Sem dúvida, se hospedar em Pedra Azul, especialmente pra quem é de fora, como você, é a melhor opção para explorar a região, porque é aí que estão os principais atrativos turísticos. Fora que você estará à beira do Parque e com vista pra Pedra (o que já é um grande diferencial). E dá perfeitamente pra você incluir os atrativos de Venda Nova também no seu roteiro. Com menos de 1 dia você conhece as principais propriedades e o orquidário, por
exemplo.
Mas, se você quiser experimentar uma hospedagem em Venda Nova – que, como eu disse, também pode ser viável para quem quer explorar as atrações de Pedra Azul – eu sugiro o Alpes Hotel (mais espartano), a Nono Beppi (hospedagem do tipo rural) e a Casa Vecchio (que tem só um quarto disponível). Tem a Pousada Bela Aurora também, mas ela fica um pouco mais afastada do centro (dificultando mais ainda o deslocamento) e é mais cara.
Acho que é isso.”

             Nada melhor do que uma fonte confiável e nativa! Com todas estas dicas e devidamente situados, fomos pesquisar as Pousadas. 

      Foi um pouquinho trabalhoso, e achamos Pousadas e Hotéis de todo o tipo e todos os preços. É meio chato, mas coloco aqui só para você ter uma idéia quando estiver fazendo o seu planejamento. (valores de referência de maio~junho de 2013)

http://www.pedraazuldoarace.com.br/

Tem o preço estimado por casal para Corpus Christi, (2013) para se ter uma ideia:

Pousadas pesquisadas na época (por e-mail ou tarifas dos próprios sites)

Alguns coloquei as tarifas, pois os preços constavam dos sites. Alguns outros, fui excluindo de acordo com preço, infra-estrutura que mais serviriam, refeições incluídas ou não, localidade, acesso para o parque.

 Alpes Hotel

http://alpeshotel.com.br/website/site/index.aspx

Preço da diária segundo a tarifa: 148+37= 185,00*3=555,00

 Aroso Paço Hotel

http://www.aroso.com.br/

Três diárias, de quinta 30/05 a domingo 02/06.
Acomodação mais barata: Suíte clássica R$ 1.635,00
Acomodação mais cara: Suíte Van Gogh R$ 2.790,00
Quatro diárias, de quarta 29/05 a domingo 02/06.
Acomodação mais barata: Suíte clássica R$ 1.795,00
Acomodação mais cara: Suíte Van Gogh R$ 3.070,00

Pousada Vale Du’Carmo

http://www.pousadavaleducarmo.com.br/index.html

Três diárias, de quinta 30/05 a domingo 02/06.
Acomodação mais barata: Apto verde R$ 600,00
Acomodação mais cara: Apto Dourado R$ 900,00
Quatro diárias, de quarta 29/05 a domingo 02/06.
Acomodação mais barata: Apto verde R$ 750,00
Acomodação mais cara: Apto Dourado R$ 1.150,00

Hotel Fazenda Parque do China

http://montanhascapixabas.com/site/hospedagem/hotel-fazenda-parque-do-china/

 Pousada Bela Aurora

http://www.pousadabelaaurora.com.br/

http://www.pousadabelaaurora.com.br/tarifas.html

Para nós: 2 dias da semana + 1 final de semana : 230*2= 260+340=600+230=830+150=980,00

 Pousada Eco da Floresta

http://www.ecodafloresta.com.br/

 Pousada Pedra Azul

http://www.pousadapedraazul.com.br/

Para nós: 400+210=610*3= 1.830,00

 Pousada Peterle

http://www.pousadapeterle.com.br/site/

Para nós: 200,00+85,00= 285*3= 855,00

Três diárias, de quinta 30/05 a domingo 02/06.
Acomodação mais barata: Apartamento Standard R$ 900,00
Acomodação mais cara: Suíte Master com hidro e lareira R$ 1.300,00

 Pousada dos Pinhos

http://www.pousadadospinhos.com.br/

Quatro diárias, de quarta 29/05 a domingo 02/06.
Acomodação mais barata: Apartamento ala principal R$ 1.520,00
Acomodação mais cara: Suíte ou chalé com hidro R$ 2.230,00

Pousada Rural Acapulco

http://www.pousadaacapulco.net/home

 Pousada Xodó da Montanha

http://www.pousadaxododasmontanhas.com.br/site/

Para nós: 510,00+210= 720,00

 Pousada e Restaurante Chácara 3G

55 km de Venda Nova

http://www.geturi.com.br/

O site refere-se a Gestão de Turismo de Ibatiba, uma associação com alguns restaurantes e atrativos na região.

 Venda Nova do Imigrante/ Domingos Martins

 Associação do Agroturismo:

http://agroturismovendanova.com.br/Site/Index.aspx

 Montanhas capixabas

http://montanhascapixabas.com/site/lazer-circuitos/venda-nova-do-imigrante/

     Mais algumas opções de hospedagem aqui 

Alpes Hotel

Alpes Hotel

Saímos de Patrimônio da Penha , já saudosos e chegando à Venda Nova do Imigrante fomos para o nosso Hotel escolhido, o Alpes Hotel 

Na casinha de informações turísticas, que fica bem na rodovia, descobrimos que estávamos bem no dia da festa italiana, com polenta, vinho e cantoria.

Café da Roça Altoé da Montanha

Café da Roça Altoé da Montanha

Já havia passado da hora do almoço então resolvemos tomar um café colonial reforçado e fomos para o Café da Roça Altoé da Montanha, um self service, R$ 25,00 o kg e o café é pago à parte, escolhido na carta de cafés, entre as opções, café expresso, café expresso duplo, café da vovó e café moca. Você também se serve dos bolos, pães, roscas e biscoitos.

Pizza de polenta

Pizza de polenta

Pedimos também dois tipos de pizza de polenta, não havíamos visto nunca, R$ 6,00 a pequena. As opções são à moda da casa, com frango, linguiça, socol, antepasto de abobrinha, berinjela. Achamos bem diferente, um sabor bem forte, mas um tanto quanto calórico.

 Depois de bem alimentados, começamos o tour obrigatório na cidade, para conhecer a Capital Nacional do Agroturismo, que descobrimos depois ser um título bem merecido.

Sítio Lorenção

Sítio Lorenção

Começamos nossa visita pelo Sítio Lorenção, onde nasceu o socol, um embutido único, que lembra de longe, o salame, mas a carne é mais compacta, não tem aquela gordurinha branca infame, com uma capinha levemente apimentada,o sabor é único, não dá para explicar, a sua melhor opção é degustar mesmo, uma fatia fininha e depois levar as peças para casa.

O carro da polenta

O carro da polenta

Pegamos o Sítio em alvoroço, misturando os turistas normais com os proprietários, familiares e o pessoal da região da Tapera, se preparando para a Serenata Italiana logo mais a noite. Estavam sendo preparados os carros, um para ir preparando a polenta durante a caminhada, que vai sendo devidamente degustada pelos participantes e outro, o trole cheio de flores, também para participar do desfile. Eles nos convidaram para participar da Serenata, dizendo que era “Só chegar, trazendo uma garrafa de vinho e caminhando”.

O pessoal da Tapera chegando

O pessoal da Tapera chegando

De volta ao Hotel, o pessoal da recepção nos avisou da aproximação do trole e corremos para ver a passagem do pessoal da Tapera. O lugarejo (como se fossem bairros), trazem sua identificação na frente, todos cantando músicas italianas, alguns com trajes típicos, o carro de polenta, o trole florido, com seus copos de vinho, em passos normais, caminhando. No fim do cortejo seguem alguns carros e vimos até tratores seguindo. De um outro lado da cidade, saindo por outra rua, também vimos passar o pessoal do outro “bairro”, a Providência.

No final, todos os bairros se reúnem no Centro de Eventos Padre Cleto Caliman.

 No dia seguinte, demos um pulinho até o Parque Estadual da Pedra Azul, para agendar nossa visita para outro dia, que depois explicamos e continuamos depois da volta á Venda Nova, nosso circuito de agroturismo.

Neste dia fomos para o lado da Providência e visitamos alguns lugares lá: começamos na propriedade da Família Brioschi, Rodovia Pedro Cola, km 4,5 , Telefones: (28) 3546-1024 ou (28) 9886-2073.

Um lugarzinho simpático, mais simples, mas mais aconchegante, onde fomos atendidos exclusivamente pelas simpatias da Elisângela e Priscila, ou seja, só estávamos nós visitando o lugar, deu para conversar com as proprietárias degustar café e prosear à vontade. Trouxemos o famoso café, um lombinho defumado e outro com abacaxi, que são uma delícia e suco de uva.

Nossa próxima parada foi no Sítio da Família Busato, 500 m de diferença um lugar do outro. Telefone: (28) 3546-1956.

O destaque nessa propriedade é a produção de queijos artesanais e a famosa cachaça Temosinha. A degustação e venda da cachaça ocorre na parte de baixo da propriedade. Degustamos os licores e o cuidado aqui é não sair bêbado, de tanto provar, afinal uma é mais gostosa que a outra. A embalagem já é fofa, garrafinhas pequenas, que valem como uma excelente opção de lembrancinha.

Seguimos depois para a maior delas, a Fazenda Carnielli, http://www.carnielli.com.br/ mais 500 m de diferença de localização. Telefones: (28) 3546-3152 ou (28) 3546-1877.

Aqui, a primeira coisa que nos chamou a atenção foi o ar mais “profissional” do negócio. Li depois no post do Tiago Reis,sobre a família Carnielli . Não conseguimos conversar com ninguém, bastante cheio de turistas e visitantes e só entramos na lojinha e compramos alguns queijos e biscoitos.

na Fazenda Carnielli

na Fazenda Carnielli

Conversamos com um casal saindo da lojinha, conversávamoss sobre almoço e eles nos indicaram a Fazenda Saúde, um Restaurante e Pegue-Pague, na entrada oposta à Fazenda Carnielli, mais 2 km, onde disseram que era um ambiente muito gostoso e cada pessoa pagava cerca de R$ 25,00 self service.

Como a fome não era tanta e havíamos tomado um café bem bom no Hotel, decidimos voltar à cidade e atacar de quilão mesmo. Comemos no Gauchão, mas não recomendo de jeito nenhum. Talvez pelo adiantado do horário, mas a combinação de churrascaria fim de expediente, resto de saladas e acompanhado do irritante  programa Esquenta e de sua mais irritante apresentadora, a comida não desceu bem mesmo. Nós errando nas escolhas gastronômicas de novo…

Orquidário Caliman

Orquidário Caliman

Depois do “almoço” fomos visitar mais um lugar, o Orquidário Caliman.

Lógico que nos perdemos, porque não existem placas indicativas e depois soubemos que o proprietário faz questão de preservar esta privacidade. A única referência existente é a Estrada das Lavrinhas, km 01.  

Tinha bastante curiosidade de conhecer este lugar, pois tenho uma relação de amor e tem sabor de nostalgia para mim, porque meu avô adorava orquídeas, assim como minha mãe. Não conheço tecnicamente nada, mas as estufas, a aura de quase adoração, o amor que os colecionadores passam quando comentam sobre alguma nova flor, alguma nova espécie, o aguardar da nova floração tem um que de magia para mim.

Orquidário Caliman

Orquidário Caliman

Acho que a sensação deve ser compartilhada por todos que de alguma forma têm contato com estas espécies mais que mágicas, pois fomos recebidos com um ar divertido pelo próprio proprietário, Sávio Caliman, após descermos do carro e perguntarmos se estávamos no lugar certo…”-Então são orquidoidos também??”.

Ele nos deixou à vontade para percorrer todo o Orquidário, enooorme, e entre uma foto, uma admiração, o tempo foi passando, ele veio nos encontrar mais tarde e conversamos sobre um pouco de tudo.

Orquidário Caliman

Orquidário Caliman

Sobre o orquidário claro, o renome do local, pois ele desenvolveu aqui espécies que só ele tem, como ocorre de forma simplificada a criação de novas espécies (fascinante esta explicação), ciência pura misturada com delicadeza, precisão, técnica e paciência, a aquisição e a chegada de algumas espécies, que brilham os olhos de colecionadores e “orquidoidos” do mundo inteiro. E quando estávamos no enlevo (quase sentindo de verdade gente, um misto de profunda paz e estado contemplativo, pensa em musiquinha de fundo) da explicação, o seu desgosto com as hordas de ônibus de excursão invadindo o local, com aquelas senhorinhas pueris aparentando as mais gentis e sábias avozinhas que pudemos imaginar, enfiando as pequenas joias, porque algumas são sim, fruto de muito trabalho, dedicação e estudo nas suas bolsas e sacolas (agora pensa em barulho de desastre e coisas se quebrando).

 E por essas e outras ele não faz questão de deixar placas indicativas do seu santuário. E acho mesmo, que deve continuar assim. Infelizmente, como disse o Tiago Reis, não deixam de ser obras de arte e não são, infelizmente de novo, todas as pessoas que têm sensibilidade e delicadeza para tanto. No caso das senhorinhas, ou seres que o valham, como dizia-se antigamente, é uma questão de berço, nem de sensibilidade muito menos de delicadeza.

            E assim, com chave de ouro, encerramos nossa visita a este belo lugar.

          Contamos em separado, nossa visita ao Parque Estadual da Pedra Azul, no próximo post.

 

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

5 Comments on “Venda Nova do Imigrante

  1. Marcia! Que post completíssimo! E agora eu me dei conta de que quase nos encontramos na Serenata Italiana. Eu estava com tudo certo pra ir, mas minha filha acabou passando mal e precisamos adiar.
    Fico muito feliz por ter te ajudado nessa viagem e mais ainda por você estar divulgando o Espírito Santo.

    • Oi Tiago!
      Sabe que passamos por aqui, só por sua causa…hehehe…
      Poxa vida, seria muita coincidência e muito feliz se a gente se encontrasse lá, hein??
      E o que é bom, a gente tem que divulgar mesmo!
      Um grande abraço!!!

  2. Pingback: Vila Velha | Os caminhantes

  3. Olá Marcia, adivinha para onde vamos no final deste mês? Espirito Santo!
    faremos uma passagem pela região de Aracruz, com visita as praias e a EBM Augusto Ruschi. Pretendemos dar uma volta também em Venda Nova do Imigrante e quando pensei em pesquisar na web lembrei deste seu post.
    Muito útil como sempre!
    Também gostei do Rotas Capixabas.
    Depois trocamos infos sobre estes locais.
    Grande abraço a todos e obrigado.

    • Olá amigo!!
      Não conhecemos infelizmente a região de Aracruz, deve ser bem bonito!
      O Rotas Capixabas, do Thiago Reis foi nossa base para fazer todo o meu planejamento para a nossa viagem ao Espírito Santo. É nossa referência.
      Conte tudo na volta Pompeo!
      Uma ótima viagem para vocês!!!

      Abraços!!!!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *