Conceição do Mato Dentro

Foto de Thiago Benedicto

Foto de Thiago Benedicto

 
Conceição do Mato Dentro

Cachoeira do Tabuleiro

            Depois de uma noite descansando, (mesmo com o episódio do gatinho), já refeitos, principalmente após o lauto café da manhã da Pousada da Gameleira com frutas, queijo mineiro, pães recheado e integral, pão de queijo, bolos e biscoito de polvilho, tudo feito na Pousada, pelo comando do Sérgio, nos preparamos para nosso primeiro passeio: a atração mais famosa e comentada: a Cachoeira do Tabuleiro.
Café da manhã da Pousada Gameleira
            Escolhemos esta Pousada por indicação e também pelo suporte que o Samuel nos prestou durante nossas pesquisas. Além de estarem incluídos na diária o café da manhã e um almoço tardio, o próprio Samuel faz o trabalho de guia, e não somente mostrando o caminho, mas contando sobre a história do lugar, alguns fatos inusitados e explicações gerais sobre fauna e flora do local. Um “bônus” ainda, é que ele é (cá entre nós, a melhor qualidade que possamos comentar de uma pessoa…) muito viajado, então, nas paradas e nas conversas assistindo televisão, conversávamos sobre… adivinha… viagens, que chato! Brinquei que ele deveria ser o mestre dos guias, pois todos os lugares que falávamos, ele conhecia, contava causos ou sempre tinha uma curiosidade para contar…
            Pelo período, para nosso grupo de 6 pessoas, que acabamos optando por um quarto coletivo, com 3 beliches, por questões “operacionais” rsrs…, pagamos R$ 1.800,00,  que incluía o café da manhã e almoço de domingo a terça-feira e o café da manhã da quarta-feira.
Cachoeira do Tabuleiro
Foto de Thiago Benedicto
            Copiando aqui do Clube dos Aventureiros a descrição técnica da Cachoeira do Tabuleiro:
…”É a cachoeira mais alta de Minas Gerais e a terceira maior do Brasil. São 273 metros de queda livre formada a partir de um paredão de beleza monumental. Na parte alta da cachoeira existem outras quedas e lagos e, na parte de baixo, existe um grande poço ladeado por imensos blocos de pedra. A Cachoeira está situada no coração do Parque Natural Municipal do Ribeirão do Campo, que protege cerca de 3.150 hectares de área onde se encontram raros ecossistemas que compõem a cadeia do Espinhaço além das coleções hídricas da região, envolvendo todas as nascentes formadoras do ribeirão do Campo…
             De acordo com o Guia Quatro Rodas, existem mais de 5.000 cachoeiras catalogadas no País, e a Cachoeira do Tabuleiro é considerada a melhor cachoeira para visitação de turistas e uma das mais belas paisagens do Brasil.”…
            Em 2007, o Parque do Intendente uniu a antiga Área de Proteção Ambiental Serra do Intendente e o Parque Municipal Ribeirão do Campo.
            Saímos em comboio da Pousada em 5 carros, rumo à entrada do Parque, numa estradinha de terra bem ruinzinha… O Samuel ficou com receio de não conseguirmos subir a estrada toda, mas conseguimos chegar até a entrada. A entrada para o Parque custa R$ 5,00 e você deve preencher uma ficha com seus dados. No nosso caso, fomos todos incluídos no grupo do Samuel, ele responsável por todas as cerca de 15 “crianças”, como ele nos chamava. No grupo, ainda a presença do Diego, um guia para “fechar a trilha” e dar umas “mãozinhas e puxadinhas” para todos…Um banner indicava que o limite de visitação ao Parque são de 250 pessoas, e após às 14:00 hs, as visitas se encerram. Portanto, planeje-se antes para esta visita imperdível.
            Encontramos um pessoal do Parque (que não consigo lembrar o nome) fazendo uma panfletagem do bem:  uma coisa boa, educativa e principalmente ecológica. Achei interessante, como a coisa evolui e hoje em dia, todos falem em educação ambiental, mas me fez lembrar também, que na nossa primeira visita à região, junto com uma excursão da Freeway à Serra do Cipó, em 1994, encontramos um grupo de estudantes de uma escola municipal de Jaboticatubas, parando os ônibus, falando e distribuindo material justamente falando sobre as questões de preservação ambiental. Não sei se foi coincidência, mas essa “pegada” ecológica da região merece um destaque.
Cachoeira do Tabuleiro
Foto de Thiago Benedicto
            Uma caminhada de 3,6 quilômetros, que tem sua dificuldade no desnível entre o início e o final da caminhada e principalmente no trecho final onde você caminha sobre as pedras e algumas vezes no leito do rio.
            Primeiro visitamos o Mirante, onde é possível avistar a Cachoeira com a clássica formação do coração, muitas fotos, explicações do Samuel principalmente sobre a flora da região e depois descemos em direção ao poço da Cachoeira.
            O poço realmente é imenso, lindo. Escolhemos um pedaço de chão, embaixo de uma grande rocha fazendo sombra para deixar nossas coisas e todos para a água, depois da caminhada cansativa. Mais outros dois bônus: o colete salva vidas, que o Samuel carregava sempre nos passeios, para… mim…brincadeira… (depois outras meninas usaram também) e nas cachoeiras, o pessoal do Corpo de Bombeiros, sempre observando a movimentação. Nunca vi bombeiros em cachoeiras e achei uma iniciativa bem interessante e recomendável, aconselhável em outros tantos lugares que visitamos.
            A volta foi dura, pelo sol e pela subida. Pegamos os carros e voltamos para a Pousada, onde nos esperava um almoço com arroz, feijoada, tutu de feijão, uma cebola roxa apimentada, bolinho de arroz, filé de frango e mais uns 8 tipos de salada. Regados a jarras de suco natural: laranja, abacaxi com hortelã, abacaxi com pêssego ou manga.
No riachinho que fomos
“rastando o chinelo”…
            À tarde, para nos refrescar do calor, fomos até o riozinho que corre bem pertinho da Pousada, como disse um morador local para o Hebert: “-Dá prá chegá lá rastando o chinéelo…” com aquele sotaque minero gostoso… essa frase já incorporamos ao nosso cotidiano!
            O rio estava beeem cheio de gente, muita música e cerveja, e o que desagradou ainda também, foram a presença de muitos cachorros e logicamente, seus produtos…
            Voltamos logo para a Pousada, ficamos por ali, no nosso revezamento para os banhos, na televisão e principalmente conversando com o Samuel.
            À noite, mesmo comendo até quase explodir no almoço, ainda fomos tentados com o pastel de angú e “tivemos” que experimentar. Este pastel tem uma história interessante e o Samuel contou que encomenda na fonte mesmo: a D. Lélia.
Diz a história que: “Dona Lelia aprendeu com a mãe, Mirtila,, que aprendeu a receita com a escrava que a criou. Quando a avó de D. Lélia morreu, deixou 8 filhos; a escrava então, entregou cada um deles para seu respectivo padrinho, como era costume na época, e foi com a pequena Mirtila para a casa de seu padrinho e com ela ficou até morrer A escrava ensinou Mirtila a fazer o pastel de angú, o pastel de mandioca, o fubá suado e o cuscuz, entre outras iguarias. O pastel de angu era recheado com a carne que sobrava das mesas dos senhores, e a massa, preparada com o fubá tirado do milho moído em moinho de pedra movido a roda d’água. A mãe passou então a receita para os filhos.”  . Copiei da revista do acervo do Samuel mas esqueci de pegar o nome da revista..
            Cansados, satisfeitos, fomos todos dormir, esta noite sem gatinho…
Cachoeira Rabo de Cavalo
Foto de Thiago Benedicto

Cachoeira Rabo de Cavalo 

            Segundo dia, mais um café da manhã “de explodir”, e nos preparamos para o segundo passeio: a Cachoeira Rabo de Cavalo, e está localizada na Área de Proteção Ambiental Peixe Tolo.
            O medo era saber se a caminhada seria como do dia anterior, mas o Samuel garantiu que o maior trecho, e mais árduo seria feito de carro, e a caminhada em si, tranquila.
            E assim foi: seguimos os 5 carros, numa estrada beem ruim (toda hora falávamos: ai, meu 4 x 4…). pensei várias vezes que o carrinho neon marca-texto não ia aguentar o tranco, mas conseguiu cumprir bravamente o rallye! Ai se carro alugado falasse…
            A trilha foi tranquila, cerca de 1 hora de caminhada, atravessando alguns córregos e dava vontade de parar em cada um deles.
            Ela é formada por dois cursos d’água, e se divide em duas paralelas com aproximadamente 40m cada uma (que se unem logo depois, formando uma única queda de, aproximadamente 80m de altura). Forma um grande poço de aproximadamente 1.750m² e sua profundidade é superior à 6m… descrição do site da Pousada da Gameleira
  Novamente, usei o colete, pois o poço é bem fundo e depois outras meninas também usaram e novamente, a presença do Corpo de Bombeiros.
   Na volta, mesma trilha, e o Thiago e o Hebert inauguraram uma nova modalidade de banho, seguidos logo pelo João e Júlia que era mergulhar naqueles regatos tentadores com roupa, bota e tudo, uma vez que já estávamos todos molhados e sujos mesmo…enquanto isso, o Zé Geraldo se aprimorava na arte ninja de andar pelo barro e permanecer com o sapato intacto, branquinho e seco….
            Chegamos por volta das 17:00 hs para o almoço, com arroz com frango com e sem pequi, uma delícia, abóbora com quiabo, linguiça, a mesma variedade de  saladas e de sobremesa, a especialidade da casa: doce de leite com hortelã, delicioso!!! Não deixe de provar!
            Neste dia, pedimos um caldinho de jantar: um de abóbora e outro de mandioca,encorpados, saborosos,  jogamos Imagem e Ação, atrapalhamos todo mundo que queria ver TV e fomos descansar.
Cachoeira Congonhas
foto de Thiago Benedicto

Cachoeira Congonhas e Zé Cornicha

Neste terceiro dia, a caminhada partiu da própria Pousada, não precisamos utilizar os carros.
…”A Cachoeira de Congonhas está localizado em um afluente do Rio Preto, próximo à entrada do cânion ou boqueirão do Rio Preto. A Cachoeira é formada entre grandes paredões rochosos, de aproximadamente 90 metros de altura, com uma queda principal com pequeno volume d’água que se divide e cai sobre rochas, provocando o efeito de Véu da Noiva. O poço da Cachoeira do Congonhas tem aproximadamente 86m² e sua profundidade é pequena (1,5m no máximo). Suas águas são frias e transparentes”….
       Uma caminhada de 4 km de ida e 4 km de volta, estávamos com “preguicinha”, eu e a Júlia e levamos um “pega” do Samuel: -“Mas que cazzo de caminhantes são essas???”, e depois de uma gostosa sessão alongamento oferecida gentilmente pela Regina, as dores na perna e na panturrilha melhoraram bastante e                   acompanhamos o grupo.
            A caminhada foi tranquila, tirando o início do trecho, uma subida bem íngreme até o cemitério local.
            O Diego havia comentado e também preciso concordar, as outras cachoeiras são lindas, fantásticas, mas esta me surpreendeu. Ela se revela somente no final, uma surpresa, com aquele paredão característico da região, a água caindo daquela altura, o poço rasinho, dando pé até para mim, não precisei do colete aqui. Como disse o Samuel, a cachoeira é “para crianças”…sorrindo para mim…e outro fator que a torna tão especial, é a baixa visitação, somente nosso grupo desfrutou da cachoeira, parecia um paraíso perdido particular.
Cachoeira Zé Cornicha
foto de Thiago Benedicto
            Na volta, o pessoal se dividiu: uma parte foi com o Samuel para o mirante, e nós com o outro grupo para chegar mais rápido a Cachoeira do Zé Cornicha, desfrutar de um tempo maior de banho.
           Também ficamos sozinhos aqui, só o nosso grupo e nesta pequena e simples cachoeirinha, finalmente tivemos tempo para descansar e relaxar um pouquinho.
         Fizemos o mesmo caminho de volta para a Pousada, onde nos esperava um feijão tropeiro (duas vezes na mesma viagem, delícia!!!), e para finalizar, um doce de leite com chocolate desta vez.. ai que chato…
           Depois do almoço, começamos a jogar Imagem e Ação, e foram chegando o grupo da Pousada, que a esta altura, já formava uma grande família, pelo tempo e pelas vivências que tivemos nos passeios e no convívio que tivemos. Nos revezamos todos, jogando, arrumando as malas e tomando banho e  o dia terminou com uma festinha de confraternização meio improvisada, onde compartilhamos dois queijos locais deliciosos, algumas garrafas de cerveja, sucos e… o restinho dos lanches e petiscos que todos trouxeram para as trilhas. Cabe ressaltar aqui, a influência direta dos proprietários, Samuel e Sérgio, que deixaram todos a vontade e também ajudaram a promover o entrosamento entre todos os hóspedes da Pousada, durante todo o período.
            Descansamos, tomamos o café da manhã no dia seguinte e nos despedimos do Samuel e deste lugar lindo.

 

Nossa impressões

Por mais clichê que possa parecer, (e vai parecer, mas é o que sentimos…), comentávamos um pouco antes desta viagem que as duas viagens internacionais anteriores foram maravilhosas, aprendemos, nos divertimos, vivenciamos coisas completamente diferentes, mas… faltava um quê.. e justamente isso que procurávamos e sentimos falta encontramos de volta na nossa amada Minas Gerais: comida farta e saborosa, aconchego, hospitalidade, paisagens verdejantes e principalmente o calor humano que só conseguimos encontrar aqui, no nosso país. Fica bem fácil entender porque é que muito estrangeiro se apaixona por este pedaço de mundo…
Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

10 Comments on “Conceição do Mato Dentro

  1. Novamente um belo post! Concordo sobre o aconchego de nosso país, e só tomamos consciência disto qdo retornamos de alguma viagem ao exterior.Por isso que alguem já disse antes”…moro num país tropical, abençoado por Deus e bonito por Natureza”.
    Abraçosa todos

    • Olá Pompeo!!!
      Obrigada pela leitura e pela frequência constante em nosso cantinho!!
      Realmente, estávamos com muuuitas saudades deste calor humano, desta receptividade, do verde e só percebemos a beleza de tudo isto quando estamos fora.
      Um grande abraço!!!
      Marcia

  2. Ê trem bão sô, conhecer, receber, compartilhar e guiar voces pelo nosso quintal.
    Pessoas tão interessantes, vivenciando momentos únicos com as maravilhas do Tabuleiro na Pousada Gameleira.
    É por tudo isso que vale a pena deixar a selva de pedra em busca de qualidade de vida.
    Brigadim pelo carinho, considerações, comentários sobre meu trabalho de guia e serviços da Pousada
    É quando quiser.
    Espero oces para mais aventuras.
    Forte abraço.
    Inté, Samuel.

    • Olá Samuel!!!
      Muito obrigada pela leitura, pelo comentário e principalmente nos receber e guiar tão calorosamente, nestas terras tão lindas!!
      São essas pausas na nossa loucura diária neste caos de cidade grande que mantém nossa sanidade. É o nosso combustível, é o nosso alimento e é o que move nossas vidas, ainda mais compartilhando estes momentos com nossos amigos Thiago, Lizanda e Hebert e todos os hóspedes da Pousada neste feriado, um grupo de pessoas diferentes, mas todas com um propósito único de compartilharem momentos especiais e que você soube fazer esta reunião da melhor maneira!
      Um grande abraço!
      Marcia

    • Oi amiga!!
      O lugar é lindo, ainda calmo e não tem aquele monte de gente, ainda não está inflacionado, vale a pena a visita.
      O pastel de angu (e toda a comida mineira, farta e saborosa!) é um atrativo à parte.
      Um grande beijo!!
      Marcia

    • Oi Liliane!
      Vão sim, a região é muito bonita! Nós fomos no Carnaval, em Fevereiro. Não pegamos nem um dia de chuva.
      Achei um gráfico climático de Conceição aqui ó: http://pt.climate-data.org/location/176005/
      Pelo gráfico, os meses de verão são os que chovem mais mesmo…mas ainda com chuva acho que os passeios não ficam prejudicados…o grande são as estradas de terra/pedrinhas que podem ficar bem danificadas.
      Mas, para tirar da dúvida mesmo, sugiro você falar com o Samuel da Pousada Gameleira, nosso amigo e contato lá e ele te fala direitinho.
      Um grande abraço e me conte depois como foi!
      Beijos!
      Marcia

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *