Circuito W em Torres del Paine-Chile-Acampamento Los Cuernos

Acampamento Paine Grande para Los Cuernos

Travessia Acampamento Paine Grande até Acampamento Los Cuernos
 Meio do Circuito W

Dia 6- 04/01/11- 3ª feira- Pehoe- Cuernos

Um visual lindo, mas a mochila pesava muito, cansamos bastante, tivemos que fazer várias paradas para descansar, o vento foi aumentando, a Júlia não agüentou toda a bagagem e acabou passando para o João o sleeping dela.

Resultado: conseguimos chegar no Italiano somente lá pelas 16:00 hs,detalhe, a caminhada de acordo com o mapa do Parque fala em 2,5 h, exaustos, e ainda sabíamos que tínhamos que chegar ao Cuernos. Na verdade, acabamos optando por ir até o Cuernos por causa de alguns relatos, onde diziam que, o acampamento tinha sido fechado por causa de muita m… espalhada, por não existir banheiro, ser um acampamento selvagem, etc.

Foi uma pernada à mais de 5,5 km para chegar até Cuernos e no dia seguinte para voltar até lá para visitar o Vale do Francês, os 5,5 km de volta, mais 5,5 km novamente de volta até o Cuernos, ou seja, realmente, 16,5 km a mais.Temos que considerar ainda, o caminho para o Vale do Francês, de 5,5 km.

Não sabemos dizer até agora, se valeu a pena ou não, mas, ficam aqui algumas informações constatadas: o acampamento é grande, realmente não tem chuveiro, mas tem 4 banheiros e não tem pia nenhuma, ou área para pegar água. Vimos uma estrutura onde poderia ser um abrigo para cozinhar, provavelmente, mas não não haviam mesas ou bancos, seria colocar o fogareiro no chão e cozinhar assim mesmo.

Não tinha jeito mesmo, afinal já havíamos reservado nossa área de camping no Cuernos, através do Fantastico Sur e até o banheiro não nos pareceu lá, tanto problema, mas não tínhamos água, então, seguimos em frente, depois de uma breve pausa para comer alguma coisinha.

 
No caminho do Italiano para o Cuernos, o vento aumentou muito, e mesmo com o peso que carregávamos, por incrível que pareça, éramos quase que jogados ao chão. Nunca havíamos visto ventar tanto na água, que a água levantava e virava quase que um chuvisco, chegando a nos molhar, quando passávamos perto dela. Para completar a desgraça, ainda erramos um trechinho do caminho, na praia de pedra e tivemos que refazer o percurso.
Chegamos exaustos no acampamento Cuernos, um lugar muito bonito sim, mas a infra… dois vasos sanitários e um chuveiro, pois o outro estava quebrado, para todo mundo!! Um horror!!!Ainda mais por causa da ventania, tudo estava coberto por terra. O cansaço foi tão grande, que preparamos mal e mal uma sopa de letrinhas,após montar a barraca, não deu coragem de usar os chuveiros, e mesmo que tomássemos banho, rapidamente seríamos transformados em milanesa com terra preta assim que saíssemos, então usamos nossos lencinhos umedecidos e desabamos exaustos. A única alegria aqui, foi a Júlia, que disse que estava morrendo de vontade de tomar aquela sopa de letrinhas, e tomou aquilo como se fosse a coisa mais deliciosa do mundo, com uma alegria ainda de criança, que foi marcante. Modéstia muuuito a parte, mas tivemos muito orgulho deste desprendimento dela, apesar de todo o esforço enfrentado no dia.
 

Dia 7- 05/01/11-4ª feira-Cuernos- Vale do Francês

Voltamos só de mochilinha para o Vale do Francês. Fizemos todo o percurso de volta dos Cuernos para o Italiano, só que bem mais aliviados e tranqüilos.
O percurso, realmente, só de mochilinha é tranqüilo até, tirando uma parte de subida. Neste percurso, deu para tirar fotos com calma e ir mais devagarzinho. De mochilinha, conseguimos fazer o percurso como consta na indicação do roteiro do parque, em 2,5 hs, até o Acampamento italiano.
 

Começamos a subida do Vale do Francês, até alcançarmos um lugar com vista para o Glaciar do Francês e a Júlia, muito cansada do dia anterior (e confesso, eu também), acabamos ficando por lá. O João seguiu até o final da trilha, e depois, voltamos para o Cuernos. No caminho, na praia de pedras, ele cumpriu o que tinha prometido, de dar um mergulho pelo menos na Patagônia. Entrou e saiu, gritando de frio, logo em seguida, mas cumpriu a promessa.
Tínhamos reservado um jantar e lá fomos nós, para nossa primeira refeição depois que iniciamos o W. Foi mais à título de experimentar o  tipo de comida e um presente para nós três, depois do sacrifício do dia anterior. O preço é realmente salgado, comparado ao custo benefício, digo do que é servido, mas vamos combinar que uma comida fresca, realmente não tem preço . Foi servido uma sopa na entrada, depois uma carne (que não conseguimos identificar que tipo) com arroz a grega e depois, uma salada de frutas com creme de leite. Além do preço da refeição, atenção para as bebidas.  A latinha de refrigerante custa CH 2.000,00, assim como o pacote de bolacha recheada.
Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

5 Comments on “Circuito W em Torres del Paine-Chile-Acampamento Los Cuernos

  1. Ops… Esse finalzinho ficou confuso… Então vcs sairam dos Cuernos, voltaram para o Italiano e voltaram para o Paine Grande? Então vcs não fizeram do Cuernos ao Chileno?
    O relato está ótimo…
    Bjs e Boas Viagens!

  2. Oi Carla!!
    Obrigada pelo aviso.Postei ontem, grogue de sono, e nem conferi ou visualizei o que tinha feito. Copiei e colei errado mesmo…hehehe…
    Fizemos sim, do Cuernos até o Chileno e espero este final de semana acabar de postar tudo!!! Num guento mais!!!
    Beijinhos!
    Marcia

  3. Olá, não sei se foi comentado em outra parte da matéria, mas fazer o circuito “O” está um inferno. Os preços inflacionaram em quase 50% e além das reservas da CONAF vc ainda precisa reservar mais 5 abrigos particulares no parque. Detalhe, as reservas tem que ser feitas com quase 6 meses de antecedência, pq nunca há vagas e se esgotam muito rapidamente. Aparentemente virou uma bolsa de valores, e só se vendem as reservas mais caras. Constatei isso “in loco” em Puerto Natalaes.

    • Olá Ale!!!
      Nossa, não sabia disso…
      Triste ver como essa exploração desenfreada visando somente o dinheiro desgasta e diminui nossas opções de visitar estes belos lugares…
      Um grande abraço!
      Marcia

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *